O que é uma Punção Lombar?

Fonte:

 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª. Ana Sofia Correia

Validação Científica:

Prof. João Lobo Antunes

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Neurologia pelo Prof. João Lobo Antunes: O que é uma Punção Lombar?

Leia aqui o artigo:

O que é?

A punção lombar é um procedimento em que é utilizada uma agulha para remover uma amostra de líquido cefalo-raquidiano, que é um líquido circulante que banha o sistema nervoso. Como este líquido envolve as raízes nervosas, é possível colher uma pequena amostra inserindo uma agulha entre as vértebras lombares. Este procedimento é utilizado para diagnosticar infecções do sistema nervoso (meningite e encefalite) e outras doenças neurológicas (por exemplo, esclerose múltipla, síndrome de Guillain-Barré ou hemorragia subaracnoideia). Em situações menos frequentes, a punção lombar pode ser realizada com finalidade terapêutica, por exemplo, para tratar alguns casos de hipertensão intracraniana ou para inserir medicamentos no líquido cefalo-raquidiano.

Preparação

A punção lombar é realizada após a avaliação do estado clínico e a observação médica do doente. Antes da realização deste exame, poderá ser pedida uma tomografia computorizada do cérebro, para ajudar no diagnóstico da patologia do doente e, nalguns casos, também para excluir a presença de uma massa cerebral que provoque hipertensão intracraniana, situação em que, se não foram tomados os cuidados adequados, a punção lombar pode ter complicações graves. No entanto, de uma forma geral, a punção lombar é um procedimento seguro, com poucos riscos.

O médico deverá explicar ao doente o motivo pelo qual recomenda a realização de uma punção lombar e deve pedir o seu consentimento. O doente deverá colocar as dúvidas que tenha ao médico, para que possa ser esclarecido.

A punção lombar pode ser feita sob anestesia local ou sem anestesia. O doente deve comunicar ao médico se alguma vez apresentou uma reacção alérgica à lidocaína ou a outro medicamento anestésico. Além disso, se ainda não o tiver feito, o doente deve indicar qualquer doença que tenha, sobretudo se tiver algum distúrbio da coagulação sanguínea, e a medicação que está a tomar.

Como é realizado

Habitualmente, o médico pede para o doente deitar-se de lado, com os joelhos dobrados contra o peito, ou para se sentar, com a cabeça e a coluna flectidas para a frente e os braços cruzados. Para que o procedimento corra bem, é muito importante que o doente se mantenha na posição indicada pelo médico. Poderá estar presente outro profissional de saúde para ajudar a posicionar o doente da forma correcta.

O médico palpa os ossos da bacia do doente e as vértebras da região lombar para encontrar o local mais adequado para realizar a punção lombar. Essa área é cuidadosamente limpa com uma solução anti-séptica. Poderá ser injectado um medicamento anestésico através de uma pequena agulha na área onde a agulha de punção lombar será inserida. No entanto, a punção lombar também poderá ser realizada sem anestesia.

A agulha de punção lombar é muito fina. O médico vai inserir esta agulha num ponto entre as vértebras e vai introduzi-la lentamente para a frente até atingir o espaço subaracnoideo. Por vezes, o médico mede a pressão do líquido cefalo-raquidiano, através de um manómetro, que é um tubo que se assemelha a um grande termómetro que é mantido encostado à agulha. De seguida, o tubo do manómetro é retirado e o líquido cefalo-raquidiano começa a pingar da agulha, sendo colhido para um tubo de ensaio esterilizado. O doente poderá sentir uma dor aguda nas costas e, menos frequentemente, na perna. Em seguida, a agulha é retirada e, de um modo geral, apenas é necessário colocar um penso rápido no local da picada.

A totalidade do procedimento, incluindo o tempo de preparação, demora cerca de 30 minutos. No entanto, o espaço de tempo que decorre desde a introdução da agulha até à colheita do líquido é muito inferior, podendo ser apenas um minuto. Por vezes, dependendo da morfologia do doente, o médico não consegue obter a amostra do líquido cefalo-raquidiano logo que pica o doente, podendo ser necessário desviar a direcção da agulha ou picar novamente o doente noutro local.

Riscos

A complicação mais frequente da punção lombar é uma dor de cabeça temporária, que muitas vezes pode ser prevenida se o doente ficar deitado durante algumas horas depois do exame. As outras complicações deste exame são muito raras e incluem o risco de infecção ou de hemorragia. Em situações raras de hipertensão intracraniana causada por uma massa cerebral, a punção lombar pode provocar deslocação do cérebro, o que constitui uma complicação muito grave, e, por esta razão, este procedimento está contra-indicado nestes casos.

Seguimento e cuidados

O doente deve ficar deitado na horizontal durante algumas horas.

Tempo até ao resultado

O líquido cefalo-raquidiano que é obtido através deste exame pode ser submetido a diferentes análises, nomeadamente análise das características bioquímicas e das células, exame microbiológico (em caso de suspeita de infecção) e estudo imunológico. Dependendo das análises que o médico pedir, os resultados podem demorar entre algumas horas a vários dias.

Informação Adicional

Sociedade Portuguesa de Neurologia

http://www.spneurologia.org

Alto Comissariado da Saúde

http://www.acs.min-saude.pt/

About these ads

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 190 outros seguidores

%d bloggers like this: