Dores de Garganta (Faringite)

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:

Adaptação Científica:

Dr. Nuno Ferreira

Validação Científica:

Dr. Filipe Basto

O que é?

A dor de garganta, também denominada de infecção da garganta ou faringite, é uma inflamação dolorosa da parte de trás da garganta (faringe). A faringite pode envolver alguma ou todas estas partes da garganta:

  • O terço posterior da língua.
  • O palato mole (céu da boca)
  • As amígdalas (tecido que faz parte das defesas imunitárias da garganta).

A causa mais comum de dor de garganta é a infecção com um vírus ou uma bactéria.

Tendo em conta que uma infecção da faringe envolve quase sempre as amígdalas, antigamente o termo amigdalite (inflamação das amígdalas) era um nome comum para faringite infecciosa.

Cerca de 90 por cento das infecções da garganta são provocadas por um vírus. Embora as pessoas que têm gripe (influenza), herpes labial (herpes simplex oral) ou mononucleose infecciosa também apresentem, muitas vezes, faringite, em regra, estas infecções virais provocam outros sintomas para além de dor de garganta.

Nas regiões que têm Verões quentes e Invernos frios, a frequência da faringite viral atinge, tipicamente, picos durante o Inverno e no início da Primavera. Esta é uma altura em que há maior probabilidade das pessoas se juntarem em locais com pouca ventilação. Os vírus que provocam faringite propagam-se facilmente nestas circunstâncias.

Os vírus podem propagar-se através do ar (nas gotículas de secreções contidas na tosse e nos espirros). Permanecem também nas mãos que tenham sido expostas a fluidos do nariz ou da boca de uma pessoa doente e que, entretanto, não tenham sido lavadas.

Na maioria das pessoas que se encontram, de outro modo, saudáveis, a faringite viral simples não dura muito tempo, desaparecendo por si só. Não provoca, habitualmente, quaisquer complicações a longo prazo, embora o mal-estar a curto prazo possa ser significativo.

Nos casos de faringite infecciosa que não são virais, a causa é quase sempre uma bactéria — em regra, um Estreptococo beta-hemolítico de grupo A. Tal como a faringite viral, a faringite bacteriana pode propagar-se, rápida e facilmente, numa comunidade, particularmente durante o final do Inverno e início da Primavera.

Ao contrário da maioria das formas de faringite viral, a faringite bacteriana, quando não tratada, pode associar-se a complicações graves, tais como glomerulonefrite (uma perturbação da função do rim) ou a febre reumática (uma doença que pode lesar as válvulas do coração). Esta bactéria tem também o potencial de se espalhar no corpo, e de provocar cavidades de pús (abcessos) nas amígdalas e nos tecidos moles em redor da garganta.

Manifestações clínicas

O principal sintoma de faringite é a dor de garganta e a consequente dificuldade em engolir. Na faringite infecciosa podem existir outros sintomas que dependem do facto da infecção ser viral ou bacteriana.

  • Faringite viral— A dor de garganta é acompanhada, muitas vezes, de outros sintomas, tais como:
    • Vermelhidão na garganta
    • Nariz a pingar ou entupido
    • Tosse seca
    • Rouquidão
    • Vermelhidão nos olhos

As crianças podem ter diarreia.

Alguns vírus provocam feridas dolorosas na boca e em redor desta, incluindo os lábios.

  • Faringite bacteriana—A faringite bacteriana provoca dor na garganta, dor ao engolir e vermelhidão da garganta. Estes sintomas tendem a ser mais graves que na faringite viral. Outros sintomas incluem:
    • Febre
    • Dores no corpo e uma sensação geral de mal-estar
    • Dores de cabeça (cefaleias)
    • Aumento das amígdalas com pontos brancos
    • Gânglios linfáticos inchados na parte da frente do pescoço.

As crianças também podem ter náuseas, vómitos e dor abdominal.

Tendo em conta que os sintomas de faringite viral e bacteriana podem sobrepôr-se, o médico pode ter dificuldade em distingui-las. Em regra, a proeminência da tosse e os sintomas nasais são a favor de uma faringite viral.

A dor na garganta, a dificuldade em engolir e os pontos brancos no interior da boca podem também ser provocados, algumas vezes, por uma infecção com fungos (por exemplo: Candida). Esta infecção, frequentemente denominada candidíase (sapinhos), afecta em regra as crianças e as pessoas com um sistema imunitário enfraquecido.

Quando a dor de garganta permanece por mais de duas semanas de duração esta pode ser provocada por outras causas como o refluxo de ácido do estômago, o respirar pela boca num ambiente seco, o gotejamento pós-nasal ou, raramente, um tumor.

Diagnóstico

Durante a história clínica o médico pode perguntar-lhe se esteve exposto, recentemente, a alguém doente com uma infecção envolvendo a garganta, o nariz ou os ouvidos.

O exame médico pode incluir o registo da temperatura e uma particular atenção à boca, à garganta, ao nariz, aos ouvidos e aos gânglios linfáticos no pescoço. Se o médico diagnosticar uma infecção bacteriana irá ter necessidade de prescrever-lhe antibióticos.

Nalguns destes casos pode ser útil realizar o teste rápido para detectar a presença da bactéria Estreptococo. Este teste pode realizar-se no consultório do médico, em alguns minutos, detectando cerca de 80% a 90% dos casos de faringite bacteriana.

Se o teste rápido for negativo e for importante confirmar a infecção estreptocócica, o seu médico poderá colher uma amostra dos fluidos da garganta para a realização de testes laboratoriais complementares. Os resultados poderão estar disponíveis em cerca de 24 a 48 horas.

Evolução Clínica

Se apresentar uma faringite viral simples, os sintomas desaparecerão gradualmente, num período de cerca de uma semana.

Se apresentar uma infecção bacteriana, os sintomas devem ir desaparecendo dois a três dias após começar a tomar antibióticos.

Prevenção

Embora seja impossível prevenir todas as infecções, há várias medidas que contribuem para diminuir a exposição e a propagação destas:

  • A lavagem frequente das mãos, em particular após assoar o nariz ou após tratar uma criança com dores de garganta.
  • Se alguém em casa tiver faringite, mantenha todos os seus utensílios usados para comer e os copos utilizados para beber separados dos de outros membros da família. Lave estes objectos, minuciosamente, em água quente com detergente.
  • Descarte, de imediato, quaisquer lenços sujos de pessoas com nariz a pingar e /ou a espirrar, lavando depois as mãos cuidadosamente.
  • Não permita que uma criança a quem foi diagnosticada uma faringite bacteriana volte para a escola ou para o jardim-de-infância sem indicação médica, normalmente depois de estar melhorada e adequadamente medicada.

Tratamento

Tendo em conta que os antibióticos não são eficazes nas infecções virais, o seu tratamento é sintomático, procurando-se que o doente se sinta melhor até que o sistema imunitário do corpo neutralize a infecção. Estas medidas incluem:

  • Muito repouso (na cama ou fora desta)
  • Tomar ibuprofeno ou paracetamol para aliviar a dor de garganta. A aspirina pode ser útil nos adultos mas NÃO DEVE ser utilizada nas crianças.
  • Beber muita água, líquidos quentes (chá ou caldos) ou líquidos frescos para evitar a desidratação
  • Comer sobremesas de gelatina ou gelados para aliviar a dor de garganta
  • Usar um vaporizador para aliviar a secura da garganta
  • Usar pastilhas ou sprays anestésicos de venda livre que aliviem a dor de garganta

Estas medidas irão ajudar a aliviar o mal-estar associado a qualquer tipo de infecção da garganta.

Se apresentar uma infecção bacteriana, o médico poderá ter necessidade de prescrever-lhe um antibiótico à base de penicilina. Se for alérgico à penicilina poderá tomar outros antibióticos como a eritromicina ou um antibiótico do grupo dos macrólidos, como a azitromicina.

É importante cumprir a medicação de acordo com a indicação do médico, mesmo que comece a sentir-se melhor.

Quando Contactar um Médico

Contacto o seu médico se apresentar dor de garganta juntamente com qualquer um dos seguintes sintomas:

  • Dor ao engolir que o impeça de beber água ou outros líquidos.
  • Dificuldade em respirar pela boca
  • Respiração ruidosa ou salivação excessiva
  • Febre muito alta.

Também deve contactar o médico se sentir algum tipo de mal-estar na garganta que dure mais de duas semanas.

Prognóstico

No geral, o prognóstico é excelente.

Quase todas as pessoas com faringite viral e bacteriana recuperam completamente sem complicações.

Informação Adicional

Sociedade Portuguesa de Medicina Interna

http://www.spmi.pt/

About these ads

Uma resposta to “Dores de Garganta (Faringite)”

  1. jorge manuel bastos das neves Says:

    Muito elucidativo e esclarecedor.
    Bom artigo de revisão.
    Parabéns.


Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 187 outros seguidores

%d bloggers like this: