Prevenir a obesidade infantil: Papa Bem para um crescimento saudável

Drª. Graciete Bragança

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Obesidade Infantil pela Drª. Graciete Bragança: «Prevenir a obesidade infantil: uma aposta no crescimento saudável»

Leia o texto do áudio aqui:

Um crescimento saudável durante a gravidez e os primeiros anos de vida pode ser determinante para a prevenção da obesidade infantil. Durante a gravidez, ter uma alimentação saudável e um ganho de peso adequado são exemplos de medidas capazes de proteger a criança desta doença. Após o nascimento, praticar o aleitamento materno exclusivo até ao 6º mês de vida e respeitar os sinais de fome e saciedade do bebé são apostas essenciais. À medida que a criança cresce, é fundamental pôr à sua disposição alimentos saudáveis, continuar a respeitar os seus sinais de fome e saciedade, valorizar as refeições em família e dar o exemplo, como também comer a sopa à mesa com ela. Finalmente, é necessário considerar o papel da actividade física e do sono. Ao organizar as rotinas da criança, não se esqueça de criar oportunidades para a criança brincar de forma activa, controlar os comportamentos sedentários, como ver televisão, e assegurar as horas de repouso de que a criança necessita.

Leia ainda o artigo:

"Uma abordagem à obesidade infantil"

Nos últimos anos temos assistido a um aumento preocupante do número de crianças obesas. Como consequência disso, é cada vez mais comum encontrar nas crianças problemas de saúde que costumavam aparecer somente em adultos. Diabetes, tensão alta e colesterol elevado são exemplos destes problemas cada vez mais comuns em crianças como consequência da obesidade.

O tratamento da obesidade é difícil. Além disso, ainda que se consiga tratar a obesidade, uma criança que já foi obesa terá sempre tendência a voltar a ser obesa no decorrer da sua vida.   

Diante destes factos, parece claro que a prevenção é a melhor forma de enfrentar a obesidade infantil e as suas consequências.

Porquê prevenir a obesidade desde a gravidez?

São vários os motivos que apontam para a importância da prevenção da obesidade infantil desde muito cedo.

Em primeiro lugar, o número de crianças com excesso de peso e obesidade antes dos 5 anos de idade já é bastante elevado.   

Além disso, a prevenção da obesidade faz-se através de bons hábitos de alimentação, actividade física e sono e é nos primeiros 5 anos de vida que a criança forma grande parte dos seus hábitos e define as suas preferências.

Finalmente, sabe-se hoje que no decorrer da gravidez e dos primeiros anos de vida alguns acontecimentos podem aumentar a tendência de uma criança vir a ter excesso de peso. Assim, numa altura em que todos parecem estar expostos à ameaça da obesidade, um crescimento saudável desde a gravidez é uma boa aposta para proteger as nossas crianças.

Apostar num crescimento saudável

Algumas medidas contribuem para o crescimento saudável da criança e, assim, para a prevenção da obesidade infantil. Todas elas devem merecer a melhor atenção por parte dos pais para serem postas em prática. Mas o envolvimento de outros familiares e cuidadores também é muito importante. Conhecê-las é o primeiro passo para começar a agir.

Medidas relacionadas com a alimentação

  • Alimentar o bebé apenas com o leite materno até aos 6 meses de vida;
  • Procurar conhecer e respeitar desde cedo e em todas as idades os sinais de fome da criança e os sinais de que está satisfeita. Os pais e outros cuidadores saberão identificar os sinais próprios das suas crianças, mas podemos adiantar exemplos bastante comuns:

Sinais de Fome

  • Choro ou irritação (Atenção! Nem sempre é fome!)
  • Olhar fixamente para a mãe ou abrir a boca quando a mãe está próxima (Recém-nascidos)
  • Tentar alcançar ou agarrar a colher ou o alimento Apontar, procurar ou pedir alimentos

Sinais de saciedade

  • Parar de mamar
  • Adormecer durante a mamada
  • Arquear-se para trás ou virar a cara, afastando-se da comida
  • Distrair-se facilmente da refeição
  • Cuspir a comida
  • Levar muito tempo a mastigar a comida
  • Brincar com a comida sem comer
  • Atirar a comida para o chão
  • Comunicar gestualmente ou dizer que não quer mais   
  • Ter disponível e incentivar o consumo de alimentos saudáveis, nomeadamente, frutas e vegetais, com especial atenção para a sopa;
  • Estabelecer rotinas de refeições (por exemplo, 3 refeições e 2 lanches);
  • Procurar que as refeições sejam um momento agradável de convívio, ou seja, sentados à mesa, de forma sossegada e sociável (regra dos 3S);
  • Privilegiar as refeições em família. Sem televisão!;
  • Oferecer quantidades de alimentos adequadas à idade;
  • Oferecer refeições equilibradas, incluindo os diversos grupos de alimentos;
  • Evitar desde cedo o consumo de bebidas açucaradas, como refrigerantes, sumos e leites aromatizados;
  • Incentivar o consumo de água;
  • Não ter disponíveis em casa doces, bolos, chocolates, salgadinhos e outros alimentos ricos em açúcar e gordura e de baixo valor nutritivo;
  • Evitar formas de pressão para a criança “esvaziar o prato” ou para comer determinados alimentos saudáveis, como é comum acontecer com os vegetais;
  • Evitar a proibição de determinados alimentos, principalmente em festas ou ocasiões onde outras pessoas estejam a consumi-los;
  • Não utilizar alimentos como prémio por bom comportamento, para confortar a criança ou para conseguir que ela faça algo em troca;
  • Servir como exemplo de bons hábitos de alimentação e incentivar que outros membros da família também o façam;
  • Aumentar os conhecimentos acerca da alimentação saudável.

Medidas relacionadas com a actividade física e o sono

  • Incentivar que a criança brinque de forma activa no decorrer do dia. Rastejar, rolar, gatinhar, correr, saltar, dançar, jogar a bola, andar de bicicleta, enfim, ter liberdade, algum espaço, e segurança para movimentar-se e fazer aquilo que melhor sabe: brincar;
  • Ter em casa espaços seguros para que a criança tenha a oportunidade de brincar de forma activa. Um tapete na sala pode ser o suficiente;  
  • Encontrar fora de casa espaços e oportunidades para a criança brincar de forma activa. Parques, jardins, praias e instituições que promovam algumas actividades;
  • Evitar situações em que a criança tenha que ficar quieta durante muito tempo seguido, como por exemplo, sentada em cadeiras ou carrinhos de passeio;
  • Limitar as actividades sedentárias como ver televisão ou jogar videojogos a, no máximo, 2 horas por dia. Crianças com menos de 2 anos de idade não devem assistir televisão;
  • Servir como exemplo de estilo de vida activo e incentivar que outros membros da família também o façam;
  • Ter momentos agradáveis de actividade física em família;
  • Assegurar que a criança dorme um número de horas de sono adequado ao seu desenvolvimento:

Idade e horas de sono recomendadas

  • 3 – 12 MESES – 9 a 12 horas durante à noite + 1 a 4 sestas de 30 minutos a 2 horas durante o dia
  • 1-3 ANOS – 12 a 14 horas por dia
  • 3-5 ANOS – 11 a 13 horas por dia

Medidas relacionadas com a gravidez

  • Engravidar com um peso saudável;
  • Ter hábitos saudáveis de alimentação e actividade física durante a gravidez;
  • Ter um ganho de peso adequado durante a gravidez;
  • Não fumar durante a gravidez;
  • Diagnosticar e tratar a diabetes gestacional.

Como pôr em prática estas medidas?

Agora já tem o conhecimento de uma série de medidas que contribuem para o crescimento saudável da criança. Provavelmente vai necessitar de ajuda para colocar em prática algumas delas.

O projecto Papa Bem, do Programa Harvard Medical School – Portugal, tem por objectivo ajudar os pais e outros adultos a criarem condições para o desenvolvimento saudável das suas crianças desde a gravidez até aos 5 anos de idade.

Estamos a preparar um conjunto de materiais práticos e muito úteis que serão divulgados no site do Programa Harvard Medical School – Portugal. Nesta altura, poderá ter acesso a vídeos, folhetos, textos, testes e outros materiais que o ajudarão na missão de aplicar no dia-a-dia das suas crianças estas e outras medidas capazes de favorecer o crescimento saudável na infância e prevenir a obesidade infantil.

Até lá esteja atento às eventuais divulgações através das redes sociais do Programa, como acontecerá no decorrer desta semana. Papa Bem: alimentar é educar!

Conteúdo produzido no âmbito do projecto de produção de Informação do Programa Harvard Medical School-Portugal “Papa Bem: uma abordagem à obesidade infantil”

Este trabalho é co-financiado através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, QREN E COMPETE.

Investigadora principal:

Profª Isabel Loureiro

Investigadora:

Drª. Gisele Câmara

Investigadora:

Drª Ana Rita Goes

Investigadora:

Drª Ana Rito

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: