Asma e Alergia a Medicamentos (Edição da Manhã, SIC N)

Prof. Luís Araújo

O Professor Luís Miguel Araújo, da Faculdade de Medicina Universidade do Porto esteve na Edição da Manhã da SIC N para falar da alergia a alguns medicamentos que é desenvolvida por alguns doentes.
Veja  o vídeo aqui:
Leia o artigo aqui:
Algumas classes de medicamentos podem desencadear exacerbações nos doentes asmáticos, nomeadamente os anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs – p.e. aspirina, ibuprofeno) e os beta-bloqueadores (usados em administração oral como antihipertensores e na insuficiência cardíaca e em administração tópica como colírio, no tratamento do glaucoma).

O problema dos AINEs é especialmente relevante, dada a sua frequência (pode afectar 4-11% dos adultos com asma) e a necessidade de recurso a estes fármacos em situações do dia-a-dia (dores, constipações).

Esta situação, actualmente designada por Doença Respiratória exacerbada pela Aspirina, caracteriza-se pela coexistência de 3 entidades: hipersensibilidade à aspirina (e outros AINEs), rinossinusite com polipose nasal e asma. Em termos práticos, os doentes apresentam, cerca de 30-120 min após a ingestão de um AINE congestão e corrimento nasal, seguidos por falta de ar, podendo apresentar também manifestações oculares, cutâneas ou gástricas.

Nesta situação é frequentemente necessário recorrer a provas de provocação (nasais brônquicas ou orais), em serviços especializados, visando confirmar o diagnóstico ou obter um fármaco alternativo que o doente tolere. Nos doentes com diagnóstico confirmado mas que precisam de tomar aspirina ou outro AINE devido à coexistência de outras patologias (p.e. pós enfarte do miocárdio ou outras doenças reumáticas) pode-se proceder à dessensibilização (i.e. administração de doses crescentes do medicamento até o doente tolerar a dose recomendada).

Embora a presença de asma não constitua um factor de risco para alergia a fármacos (ou seja os asmáticos não apresentam mais frequentemente que os não-asmáticos alergia a fármacos), a presença de asma, e sobretudo de asma não-controlada, constituí um risco acrescido de apresentar uma reacção mais grave.

Ou seja, os asmáticos que apresentem alergia a um medicamento (o mesmo se passando, aliás, nos casos de alergia a alimentos ou a veneno de abelhas ou vespas) podem apresentar reacções mais graves, e mesmo fatais, pelo que na dúvida devem esclarecer o diagnóstico e ter a sua asma sempre tratada e controlada.
Conteúdo produzido no âmbito do projecto de produção de Informação do Programa Harvard Medical School-Portugal “Doenças crónicas das vias aéreas – conteúdos e ferramentas para interacção entre doentes e profissionais proactivos
Este trabalho é co-financiado através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, QREN E COMPETE.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: