Problemas das Válvulas Cardíacas

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Leia aqui o artigo:

O que é?

O coração tem quatro válvulas: aórtica, mitral, tricúspide e pulmonar. Tal como as válvulas utilizadas na canalização doméstica, as válvulas cardíacas abrem para permitir que o líquido (sangue) seja bombeado para a frente e encerram para impedir o líquido de refluir para trás. As válvulas cardíacas humanas são constituídas por abas de tecido denominadas folhetos ou cúspides.

Os problemas das válvulas cardíacas incluem-se em duas categorias:

  • Estenose – A abertura da válvula é demasiado estreita, o que interfere com o fluxo de sangue para a frente.
  • Regurgitação (ou Insuficiência) – A válvula não se encerra adequadamente, apresentando uma fuga que pode causar um refluxo significativo de sangue.

Os problemas das válvulas cardíacas podem ser congénitos, o que significa que estão presentes aquando do nascimento, ou adquiridos depois do nascimento.

Um problema valvular cardíaco é classificado como congénito quando algum factor durante o desenvolvimento fetal leva a válvula a apresentar uma anomalia, o que ocorrem em cerca de um em cada 1.000 recém-nascidos. A maior parte destes bebés apresenta uma estenose da válvula pulmonar ou aórtica. Na maior parte das vezes não pode ser determinada uma causa específica, mas os investigadores consideram que muitos casos são causados por factores genéticos (hereditários).

Esta convicção deve-se ao facto de existir um risco consideravelmente elevado (2 a 6%) de anomalias valvulares nos pais e irmãos dos recém-nascidos afectados, em comparação com um risco global inferior a 1% na população em geral. Em 2 a 4% dos problemas valvulares cardíacos, o defeito cardíaco encontra-se relacionado com a saúde ou factores ambientais que afectaram a mãe durante a gravidez. Estes factores incluem diabetes, fenilcetonúria, rubéola, lúpus eritematoso sistémico e substâncias ou medicamentos ingeridos pela mãe (álcool, lítio, determinados medicamentos para as convulsões).

Tal como já foi referido um problema valvular cardíaco diz-se adquirido se ocorrer numa válvula que era estruturalmente normal na altura do nascimento. Algumas causas comuns de problemas valvulares cardíacos adquiridos incluem:

  • Febre reumática, uma doença inflamatória que pode seguir-se a uma infecção bacteriana (estreptocócica) não tratada da faringe

  • Endocardite, uma inflamação com infecção das válvulas cardíacas

  • Estenose aórtica calcificada idiopática, um problema degenerativo observado nos idosos, no qual as cúspides da válvula aórtica se tornam espessadas, fundidas e infiltradas com cálcio

  • Sífilis

  • Hipertensão arterial

  • Arteriosclerose

  • Doenças do tecido conjuntivo, como a síndrome de Marfan

Os problemas valvulares cardíacos afectam cada válvula de uma forma ligeiramente diferente, pelo que faz sentido considerá-las em separado:

Válvula aórtica

A válvula aórtica abre para permitir que o sangue passe do ventrículo esquerdo para a aorta, o vaso sanguíneo de grandes dimensões que leva o sangue oxigenado do coração para o resto do corpo. As doenças desta válvula incluem:

  • Estenose aórtica congénita – Quando uma criança nasce com uma estenose aórtica congénita, o problema é quase sempre uma válvula aórtica bicúspide, o que significa que a válvula tem duas abas em vez das habituais três. Em cerca de 10% dos recém-nascidos afectados, a válvula aórtica é tão estreita que a criança desenvolve sintomas cardíacos graves no primeiro ano de vida. Nos restantes 90%, a estenose aórtica congénita é descoberta apenas quando é encontrado num sopro cardíaco no exame físico.

  • Estenose aórtica adquirida – Na idade adulta, a estenose aórtica é habitualmente causada por febre reumática ou por calcificação da válvula aórtica. Algumas investigações recentes sugerem que o mesmo processo que causa aterosclerose nas artérias do coração pode contribuir para o desenvolvimento de uma estenose aórtica. Esta doença é responsável por 25% dos problemas valvulares cardíacos nos adultos, sendo 80% dos doentes do sexo masculino.

  • Regurgitação aórtica – Na regurgitação aórtica, a válvula aórtica não encerra apropriadamente, permitindo que o sangue reflua para o ventrículo esquerdo, ou seja, volte para trás. Por um lado esta doença diminui o fluxo de sangue oxigenado para a frente através da aorta e por outro acaba por levar a uma dilatação (distensão) do ventrículo devido ao fluxo retrógrado de sangue que nele entra. Nos adultos, cerca de dois terços dos casos de regurgitação aórtica são causados por febre reumática e 75% dos doentes são do sexo masculino.

Válvula mitral

A válvula mitral abre para permitir que o sangue passe da aurícula esquerda para o ventrículo esquerdo. As doenças desta válvula incluem:

  • Estenose mitral – A estenose mitral congénita é rara. O doente adulto típico é uma mulher cuja válvula mitral foi lesada por uma febre reumática.

  • Regurgitação mitral – Tal como na estenose mitral, a causa é frequentemente a febre reumática, mas o doente geralmente é um homem adulto. A regurgitação mitral pode igualmente resultar de ataques cardíacos ou de qualquer situação que altere o tamanho global e a configuração do ventrículo esquerdo.

  • Prolapso da válvula mitral – Nesta situação, os folhetos da válvula mitral não encerram apropriadamente. Trata-se de uma doença enigmática que afecta sobretudo mulheres entre os 14 e os 30 anos de idade. A causa subjacente é desconhecida e a maioria dos doentes nunca chega a ter sintomas.

Válvula pulmonar

A válvula pulmonar encontra-se localizada entre o ventrículo direito e a artéria pulmonar, permitindo que o sangue pobre em oxigénio flua do lado direito do coração para os pulmões para ser oxigenado. As doenças desta válvula incluem:

  • Estenose pulmonar congénita – Nos relativamente poucos recém-nascidos com uma estenose pulmonar congénita grave, a criança desenvolve insuficiência cardíaca ou cianose (uma coloração azulada dos lábios, das unhas e da pele) no primeiro mês de vida. Na maior parte dos casos, a válvula encontra-se deformada, com dois ou três folhetos parcialmente fundidos.

  • Problemas da válvula pulmonar no adulto – Nos adultos, a válvula pulmonar encontra-se mais frequentemente lesada devido a uma hipertensão pulmonar (uma pressão anormalmente elevada dentro dos vasos sanguíneos nos pulmões), geralmente relacionada com doença pulmonar obstrutiva crónica. As lesões secundárias à febre reumática e à endocardite são relativamente raras.

Válvula tricúspide

A válvula tricúspide permite o fluxo de sangue da aurícula direita para o ventrículo direito. As doenças desta válvula incluem:

  • Estenose tricúspide – Esta é geralmente causada por um episódio de febre reumática que habitualmente lesa em simultâneo a válvula mitral. A estenose tricúspide é relativamente rara na Europa e na America do Norte.

  • Regurgitação tricúspide – A regurgitação tricúspide ocorre tipicamente devido a hipertensão pulmonar, mas pode ser causada por insuficiência cardíaca, enfarte do miocárdio, endocardite ou traumatismo.

Sintomas

Muitas pessoas com problemas valvulares cardíacos ligeiros não têm quaisquer sintomas e a válvula anormal é descoberta apenas quando é auscultado um sopro cardíaco no exame físico. Nos problemas valvulares cardíacos mais graves, os sintomas variam ligeiramente dependendo de qual a válvula envolvida:

  • Problemas valvulares cardíacos congénitos – Um estreitamento acentuado da válvula pode causar um problema denominado cianose, no qual a pele fica azulada, e sintomas de insuficiência cardíaca.

  • Estenose aórtica – A estenose aórtica geralmente não causa sintomas até a abertura da válvula se estreitar para aproximadamente um terço do normal. Os sintomas incluem falta de ar durante o esforço (dispneia de esforço), uma dor no peito relacionada com o coração (angina de peito) e desmaios (síncopes).

  • Regurgitação aórtica – Um doente pode apresentar uma regurgitação aórtica significativa durante 10 a 15 anos sem que se desenvolvam sintomas significativos. Quando os sintomas começam, podem ocorrer palpitações, arritmias cardíacas, falta de ar durante o esforço, dificuldade em respirar quando o doente está deitado (ortopneia), falta de ar súbita e intensa a meio da noite (dispneia paroxística nocturna), sudação, angina e sintomas de insuficiência cardíaca.

  • Estenose mitral – Os sintomas incluem falta de ar com o esforço, falta de ar súbita e intensa a meio da noite (dispneia paroxística nocturna), arritmias cardíacas, especialmente fibrilhação auricular, e emissão de sangue com a tosse (hemoptises). Em alguns doentes, formam-se coágulos de sangue (trombos) na aurícula esquerda, que podem deslocar-se ao longo dos vasos sanguíneos e lesar o cérebro, o baço ou os rins.

  • Regurgitação mitral – Os sintomas incluem fadiga, falta de ar durante o esforço e dificuldade em respirar quando o doente está deitado.

  • Problemas da válvula pulmonar – Os sintomas incluem fadiga, desmaios e sintomas de insuficiência cardíaca.

  • Estenose tricúspide – Esta situação causa geralmente fadiga e sintomas de insuficiência cardíaca. Muitos doentes apresentam simultaneamente sintomas de estenose mitral.

  • Regurgitação mitral – Esta doença valvular causa principalmente sintomas de insuficiência cardíaca, em particular dificuldade respiratória.

Diagnóstico

Se tiver sintomas, o seu médico irá começar por avaliar o risco de problemas valvulares cardíacos e irá fazer-lhe perguntas sobre a sua história familiar de problemas cardíacos, a sua história pessoal de febre reumática, sífilis, hipertensão arterial, aterosclerose ou doenças do tecido conjuntivo e o seu risco de endocardite causado pela utilização de drogas endovenosas ou um procedimento médico ou dentário recente.

Se o doente for um bebé, o médico irá fazer perguntas sobre a saúde da mãe e os factores de risco ambientais durante a gravidez.

O médico pode suspeitar de que tem um problema valvular cardíaco com base nos seus sintomas específicos e na história clínica. Para apoiar o diagnóstico, o médico irá examiná-lo, prestando especial atenção ao coração, com avaliação do seu tamanho aparente (para verificar se está dilatado) e com utilização de um estetoscópio para procurar a existência de sopros cardíacos à auscultação.

Uma vez que alguns problemas valvulares cardíacos específicos produzem tipos próprios de sopros, pode frequentemente efectuar-se um diagnóstico provisório com base no som característico do sopro e na altura do ciclo cardíaco em que ocorre (ou seja, se quando o coração está a bombear ou se em repouso).

Para confirmar o diagnóstico de um problema numa válvula cardíaca e para avaliar os seus efeitos sobre o coração, o médico irá pedir exames diagnósticos que podem incluir um electrocardiograma (ECG), uma radiografia do tórax, análises de sangue para avaliar uma infecção nos doentes com uma suspeita de endocardite, um ecocardiograma, um ecocardiograma com Doppler e um cateterismo cardíaco.

Nas pessoas que não apresentam quaisquer sintomas, os exames diagnósticos podem tornar-se necessários depois de o médico descobrir um novo sopro cardíaco durante um exame físico de rotina.

Duração esperada

De um modo geral, os problemas nas válvulas cardíacas persistem ao longo da vida e podem agravar-se gradualmente com o tempo. Os causados por uma endocardite podem por vezes produzir sintomas graves e uma deterioração rápida dentro de alguns dias.

Prevenção

Não existe forma de prevenir a maioria dos problemas valvulares cardíacos congénitos. Nas grávidas devem ser programados regularmente cuidados pré-natais e deve ser evitado o consumo de álcool.

Pode prevenir muitas das anomalias valvulares cardíacas adquiridas ao prevenir a febre reumática, para o que, em caso de faringite estrepotocócica (infecção da garganta provocada por um tipo específico de bactéria), deve tomar os antibióticos exactamente conforme prescrição médica.

Tratamento

Se tiver um problema valvular cardíaco ligeiro sem quaisquer sintomas, o médico pode simplesmente monitorizar a sua situação. Os investigadores estão a estudar se as estatinas (medicamentos habitualmente usados para diminuição do colesterol em excesso) podem diminuir a progressão da estenose aórtica, mas ainda não existe qualquer evidência de que esta abordagem diminua a necessidade de cirurgia. 

Se apresentar sintomas moderados a graves, o tratamento será determinado pela gravidade dos sintomas e pelos resultados dos exames diagnósticos. Embora o médico possa dar-lhe medicamentos para tratar temporariamente sintomas como angina de peito, arritmias cardíacas e insuficiência cardíaca, pode eventualmente ser necessário recorrer a uma reparação ou substituição da válvula anormal. Tal pode ser efectuado de diversas formas diferentes:

  • Valvuloplastia percutânea com balão (para estenose) – Neste procedimento, é introduzido através da válvula cardíaca estreitada um pequeno cateter com um balão na ponta, que é então insuflado e puxado para trás através da válvula para a alargar.

  • Valvulotomia utilizando a cirurgia tradicional (para a estenose) – Neste procedimento, o cirurgião abre o coração e separa os folhetos da válvula que se encontram fundidos.

  • Substituição valvular – As válvulas cardíacas defeituosas podem ser substituídas por uma válvula mecânica, feita de plástico ou Dacron, ou por uma válvula biológica feita de tecido retirado de porco, vaca ou de um dador humano falecido. Depois da cirurgia, os doentes com válvulas mecânicas devem tomar medicamentos anticoagulantes para prevenir a formação de coágulos de sangue.

Quando contactar um profissional

Contacte o seu médico imediatamente se começar a sentir quaisquer sintomas que possam estar relacionados com um problema cardíaco, especialmente falta de ar, dor no peito, batimentos cardíacos rápidos ou irregulares ou desmaios.

Se lhe tiver sido diagnosticado um problema numa válvula cardíaca, pergunte ao seu médico se faz parte dos grupos actualmente considerados de risco para endocardite. Em caso afirmativo, irá necessitar de tomar antibióticos antes de ser submetido a determinados procedimentos médicos ou dentários nos quais as bactérias podem entrar no sangue e infectar a válvula anormal.

Prognóstico

Nos doentes que são submetidos a tratamentos cirúrgicos para problemas valvulares cardíacos, o prognóstico é bom. Por exemplo, pelo menos 77% das crianças com mais de um ano de idade com uma estenose aórtica congénita vivem durante pelo menos 20 anos após uma valvulotomia. Nos adultos, 80 a 85% dos doentes sobrevivem durante pelo menos cinco anos depois de uma substituição da válvula aórtica e 60% dos doentes vivem durante pelo menos 10 anos depois de uma reparação ou substituição da válvula mitral.

Informação Adicional

Sociedade Portuguesa de Cardiologia

http://www.spc.pt

Campo Grande 28, 13º   1700-093 Lisboa

Telefones: 217978605, 217817630

Fax: 217931095

Alto Comissariado da Saúde

http://www.acs.min-saude.pt

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: