O que é a Meningite?

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª. Ana Correia

Validação Científica:

Prof. Lobo Antunes

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Neurologia pelo Prof. João Lobo Antunes: O que é a meningite?

Leia aqui o artigo:

O que é?

A meningite é uma inflamação das membranas (meninges) que cobrem o cérebro e a medula espinhal e é frequentemente causada por uma infecção viral ou bacteriana. Outros agentes infecciosos, tais como os fungos, podem também provocar meningite e existem ainda outras causas raras que incluem as reacções medicamentosas atípicas e o lúpus eritematoso disseminado. A etiologia mais comum é a viral. Qualquer pessoa pode contrair uma meningite viral no entanto esta doença ocorre mais frequentemente nas crianças. A meningite pode ser causada por muitos vírus diferentes mas o enterovírus é o agente mais habitual.

A meningite viral causada pelo enterovírus ocorre sobretudo no Verão, embora possa ocorrer em qualquer altura do ano. A via de entrada do enterovírus no organismo é geralmente gastrointestinal e a transmissão é sobretudo fecal-oral (por exemplo, através de mãos mal lavadas contaminadas com fezes). O contágio é possível durante o período em que as pessoas infectadas têm o vírus nas fezes. Menos frequentemente, o contágio também é possível por via oral-oral ou por via respiratória. A infecção por enterovírus é geralmente assintomática ou provoca doença ligeira, resultando raramente em meningite. Excepto nos casos raros de meningite do grupo herpes, a meningite viral irá curar espontaneamente ao fim de 7 a 10 dias.

A meningite bacteriana é uma infecção muito grave e potencialmente fatal que pode afectar pessoas saudáveis, apesar dos bebés e das pessoas idosas serem mais susceptíveis. No passado, os três tipos mais comuns de meningite bacteriana eram causados pela Neisseria meningitidis, pelo Haemophilus influenzae e pelo Streptococcus pneumoniae. Actualmente o Plano Nacional de Vacinação inclui vacinas para a N. Meningitidis e para o H. influenzae, pelo que o número de casos de meningite provocada por estes agentes tem vindo a diminuir. Actualmente a causa mais frequente de meningite bacteriana na comunidade é o Streptococcus pneumoniae, existindo uma vacina disponível para as pessoas com maior risco, nomeadamente idosos, doentes crónicos e imunocomprometidos (esta vacina não está incluída no Plano Nacional de Vacinação).

Além dos bebés e dos idosos, as pessoas com doenças crónicas e/ou com deficiências do sistema imunitário apresentam um maior risco de terem uma meningite causada por bactérias ou por fungos.

Manifestações Clínicas

As manifestações de meningite variam mas incluem frequentemente:

  • dores de cabeça
  • febre
  • rigidez da nuca (dor e dificuldade em movimentar o pescoço)

Outras manifestações podem incluir:

  • intolerância à luz
  • náuseas e vómitos
  • sonolência
  • confusão mental

As manifestações podem ser mais ligeiras nos casos de meningite viral, enquanto que na meningite bacteriana são habitualmente mais intensas, podendo ocorrer alteração do estado de consciência e crises epilépticas (“convulsões”). No caso das crianças pequenas, as manifestações podem ser particularmente difíceis de detectar. Os bebés com meningite podem mostrar-se menos activos ou com choro intenso, com recusa em comer e vómitos. No caso dos idosos também pode ser difícil diagnosticar a meningite, manifestando-se frequentemente por deterioração mental sem febre.

Diagnóstico

O diagnóstico é confirmado através da análise do líquido que envolve a medula espinhal (líquido cefalo-raquidiano) para identificar a presença de bactérias ou de células que combatem as infecções. O líquido é removido através de uma agulha, sendo esse procedimento denominado punção lombar.

Evolução Clínica

A meningite viral tende a melhorar espontaneamente ao fim de 7 a 10 dias. Pelo contrário, se a meningite bacteriana não for diagnosticada e tratada precocemente, pode causar uma incapacidade permanente ou a morte. A duração do tratamento antibiótico em caso de meningite bacteriana depende da idade da pessoa, da sua resposta à medicação e de outros factores.

Prevenção

As bactérias e os vírus que causam a meningite são encontrados nos líquidos orgânicos, como a saliva e as secreções respiratórias, e disseminam-se por contacto directo. Algumas pessoas são portadoras destes microrganismos no nariz e na garganta e podem transmiti-los a outras pessoas, embora esses “portadores” não estejam doentes. Se uma pessoa estiver em contacto próximo com alguém a quem foi diagnosticada uma meningite bacteriana, pode ser realizada profilaxia com antibióticos para evitar que contraia a doença.

A vacinação contra o Streptococcus pneumoniae, o Haemophilus influenzae e a Neisseria meningitidis constitui a melhor forma de prevenir a meningite bacteriana.

Não existe nenhuma vacina para prevenir os tipos comuns de meningite viral.

Tratamento

A meningite viral é tratada de forma muito semelhante à gripe, com repouso e muitos líquidos, devendo verificar-se a recuperação ao fim de 7 a 10 dias. A meningite bacteriana é uma emergência médica e requer uma dose elevada de antibióticos endovenosos administrados em internamento hospitalar. Adicionalmente, dependendo do doente e do tipo suspeito de meningite bacteriana, pode ser administrado um corticosteróide por via endovenosa.

Quando contactar um médico

Qualquer pessoa que apresente manifestações sugestivas de meningite deve contactar imediatamente o médico.

Prognóstico

No caso de meningite viral, o prognóstico é excelente.

O prognóstico da meningite bacteriana depende da idade do doente, da bactéria responsável pela doença e da precocidade com que é diagnosticada. Até 10% das pessoas com esta doença podem falecer e uma percentagem significativa dos sobreviventes permanece com sequelas a longo prazo, por exemplo, diminuição da acuidade auditiva.

Informação Adicional

Sociedade Portuguesa de Neurologia

http://www.spneurologia.org

Sociedade Portuguesa de Doenças Infecciosas e Microbiologia Clínica

http://www.spdi.org

Meningitis Foundation of America

http://www.meningitisfoundationofamerica.org

National Meningitis Association

http://www.nmaus.org

Meningitis Research Foundation

http://www.meningitis.org/

National Institute of Neurological Disorders and Stroke

http://www.ninds.nih.gov

Centers for Disease Control and Prevention

http://www.cdc.gov

Alto Comissariado da Saúde

http://www.acs.min-saude.pt/

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: