Medicamento pode melhorar a obstipação crónica

Fonte:

 

Tradão e Edição de Imagem Científica:



Um estudo recente constatou que um novo medicamento pode ajudar a aliviar a obstipação crónica em algumas pessoas.

Investigadores testaram o linaclotido por meio de dois estudos. Cada um incluiu cerca de 600 pessoas com obstipação crónica (de longa duração). As pessoas de cada estudo foram distribuídas aleatoriamente para três grupos. Dois grupos receberam linaclotido, mas em doses diferentes. O terceiro grupo recebeu comprimidos de placebo (sem substância activa). O estudo teve uma duração de 12 semanas. O objectivo era o das pessoas efectuarem pelo menos três dejecções por semana.

Aproximadamente 20% dos indivíduos que tomaram linaclotido alcançaram este objectivo e cerca de 3 a 6% das pessoas que receberam placebo tiveram este resultado. O medicamento ajudou igualmente a reduzir sintomas como a flatulência em muitas pessoas, afirmaram os investigadores. Cerca de 15% dos indivíduos que tomaram linaclotido desenvolveram diarreia. A maior parte destes não abandonaram o estudo, tendo-se verificado o abandono em 4% dos casos.

Um dos estudos incluiu 4 semanas extra de tratamento. Nessa altura, algumas pessoas foram distribuídas aleatoriamente para receberem um tratamento diferente (linaclotido ou placebo) em relação àquele que estavam a receber anteriormente. Os indivíduos que passaram a receber placebo perderam os ganhos que tinham tido, afirmaram os investigadores ao serviço de notícias da Reuters Health. A HealthDay News escreveu igualmente sobre este estudo que foi publicado pela revista The New England Journal of Medicine em 10 de Agosto.

Qual é a reacção do médico?

As notícias sobre o novo tratamento para a obstipação podem nunca ser consideradas como notícia de abertura dos noticiários da noite mas talvez devessem. Milhões de pessoas iriam prestar atenção a ela.

As estimativas sugerem que a obstipação crónica (de longa duração) afecta até 19% da população am

ericana. Isto corresponde a mais de 59 milhões de pessoas. Não é conhecido o número exacto, em parte pelo facto das definições de obstipação variarem. E isto é devido ao facto da frequência das dejecções normais também variar. Um intervalo de variação “normal” situa-se entre três dejecções por dia e três por semana.

 Uma definição comum de obstipação é a existência de menos de três dejecções por semana (sem a utilização de laxantes ou de outros tratamentos). Irão igualmente ocorrer outros sintomas, tais como o esforço para defecar, a distensão abdominal ou a sensação de que as dejecções são incompletas.

 Não existe um tratamento único altamente eficaz que seja adequado para todas as pessoas com obstipação crónica. É por este motivo que são extremamente necessários tratamentos novos e mais eficazes.

A revista The New England Journal of Medicine de esta semana abordou um tratamento possível. Os investigadores testaram um novo medicamento denominado linaclotido. Um estudo prévio, realizado num pequeno número de mulheres, sugeriu que este medicamento pode ser eficaz.

Algumas pessoas deste novo estudo receberam linaclotido, enquanto outras receberam comprimidos de placebo. Um maior número de pessoas medicadas com linaclotido:

  • Referiram que o número de dejecções tinha aumentado para aproximadamente uma por dia
  • Notaram uma melhoria nos sintomas (tais como a distensão abdominal)
  • Tenderam a melhorar ao fim de um dia de tratamento
  • Melhoraram durante pelo menos 16 semanas.

As pessoas que receberam linaclotido revelaram uma maior propensão para ter diarreia em comparação com as que receberam placebo. Mas apenas 4% destas desenvolveram sintomas suficientemente graves para interromper o medicamento.

Estes achados são impressionantes, mas serão necessários estudos adicionais para confirmar que o linaclotido é eficaz e seguro. No entanto, esta nova investigação deve animar as pessoas com obstipação crónica que se têm sentido frustradas com a ausência de boas opções de tratamento.

Este estudo não avaliou se o linaclotido é seguro ou eficaz a longo prazo. Além disso, também não nos mostra quais as pessoas que têm uma maior probabilidade de beneficiar com este medicamento. Isto é importante, uma vez que os resultados no estudo variaram de pessoa para pessoa. A resposta média ao linaclotido foi melhor do que ao placebo, mas muitas pessoas não melhoraram nada.

Além disso, também não se sabe se a associação do linaclotido com outros tratamentos pode ser ainda mais eficaz. Ainda assim, este estudo pode conduzir à aprovação de um novo tratamento para um problema comum e incómodo ― e isto é uma boa notícia.

Que alterações poderei efectuar agora?

Se tiver tendência para ser obstipado, pode preocupar-se com a possibilidade de isto ser causado por alguma coisa grave, tal como um cancro do cólon ou uma obstrução intestinal. Felizmente, isto é raro. Uma explicação mais provável é a ingestão de uma quantidade excessivamente pequena de fibra e de água na dieta. O aumento da ingestão de fibra e de água pode ser tudo quanto é necessário.

Eis algumas outras alterações que pode fazer:

  • Aumente o exercício físico que pratica. A marcha pode ser particularmente útil.
  • Consuma menos cafeína e álcool.
  • Vá regularmente à casa de banho. Vá à casa de banho à mesma hora todos os dias. Permaneça na casa de banho tempo suficiente para não ter de fazer esforço para evacuar.
  • Não ignore os sinais manifestados pelo seu corpo. Algumas pessoas adiam regulamente a ida à casa de banho. Por exemplo, podem querer evitar as casas de banho públicas. As pessoas que fazem isto têm uma maior probabilidade de desenvolver obstipação crónica.
  • Evite os laxantes (ou utilize-os com uma menor frequência). Por exemplo, a utilização crónica de laxantes contendo sene pode lesar o revestimento intestinal e os nervos adjacentes.
  • Tome os medicamentos apropriados. Os óleos minerais, os amolecedores das fezes (como o docusato) ou o polietilenoglicol podem ser úteis.
  • Evite alguns outros medicamentos. Minimize ou evite os analgésicos narcóticos. Estes medicamentos são conhecidos por causarem obstipação. Alguns antidepressivos (e muitos outros medicamentos) podem igualmente desencadear obstipação ou agravar este problema. Pergunte ao seu médico ou farmacêutico se os medicamentos que está a tomar podem estar a contribuir para esta situação.
  • Procure obter tratamento para qualquer problema que possa causar obstipação. Estas situações incluem o hipotiroidismo (uma tiroideia hipoactiva) e a esclerodermia, entre outras doenças.

Se notar uma alteração nos hábitos intestinais, incluindo o início súbito de obstipação, consulte o médico.

O que poderei esperar ao olhar para o futuro?

Pode não ver notícias sobre os tratamentos da obstipação nos noticiários da noite. Mas pode ver o assunto mencionado de forma proeminente durante os anúncios publicitários. De qualquer forma, o mercado para os medicamentos que tratam a obstipação é enorme.

O linaclotido encontra-se actualmente disponível apenas em estudos de investigação. Será necessário esperar algum tempo enquanto se avalia se este medicamento é seguro e eficaz a longo prazo e se vai ser aprovada a sua comercialização nos Estados Unidos da América.

23 de Setembro de 2011

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: