Diarreia do viajante

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem

Científica:

 

Adaptação Científica:

Dr. Tiago Villanueva

Validação Científica:

Prof. Carla Rolanda

O que é?

A diarreia do viajante é uma infeção intestinal que afeta cerca de 50% das pessoas que visitam países em vias de desenvolvimento, e resulta da ingestão de alimentos ou água contaminados.

Esta condição é geralmente causada por bactérias (mais frequentemente a E. coli), mas pode ser provocada igualmente por vírus e parasitas. A diarreia geralmente não é grave e regride sem tratamento, no entanto, quando a diarreia é muito aquosa e ocorre com muita frequência pode ocorrer desidratação, que constitui o maior perigo da diarreia do viajante.

Manifestações clínicas

A maior parte dos episódios de diarreia do viajante ocorre na primeira ou segunda semana de viagem. Os sintomas variam, dependendo do microrganismo que causa o problema; no entanto, a maioria das pessoas sofre de diarreia, assim como de fadiga, diminuição do apetite e cólicas abdominais. Podem também ocorrer náuseas e vómitos. Geralmente não há sangue nas fezes.

Diagnóstico

As pessoas sabem que têm diarreia do viajante com base nos sintomas. Se estes persistirem por mais de cinco dias ou se surgir febre ou dor abdominal, deve ser procurada assistência médica. Pode proceder-se a análises de sangue e de fezes para procurar evidência de uma infecção. Em alguns casos, pode ser possível identificar o microrganismo infetante e fazer tratamento específico.

Evolução clínica

A diarreia do viajante melhora geralmente por si própria dentro de cinco dias.

Prevenção

Muitos casos de diarreia do viajante podem ser prevenidos. Tenha presente as seguintes regras, mesmo em estâncias e hotéis dispendiosos:

  • O álcool não esteriliza a água, pelo que deve ser cuidadoso com a água contaminada (incluindo o gelo) usada nas bebidas.
  • As bebidas gaseificadas e a água engarrafada são geralmente seguras para beber, mas não use gelo, que pode estar contaminado. Beba da garrafa com uma palhinha em alternativa ao uso de um copo. Este pode ter sido lavado com água contaminada.
  • Purifique a água fervendo-a durante, pelo menos, três minutos ou usando um sistema de purificação de água.
  • O café quente e o chá são geralmente seguros, visto que a água foi fervida.
  • Não coma fruta nem vegetais, a menos que possam ser descascados e faça-o por si próprio para se certificar que estes alimentos não são contaminados depois de serem descascados.
  • Evite os lacticínios, a menos que esteja seguro de que foram pasteurizados, e evite carne e peixe não cozinhados.
  • Lave as mãos com a água mais limpa possível ou desinfecte-as com toalhetes com álcool antes de comer.

Os efeitos secundários comuns do subsalicilato de bismuto incluem fezes pretas e uma coloração preta temporária da língua. Se sentir zumbidos nos ouvidos, deixe de tomar o medicamento, visto que pode estar a desenvolver uma toxicidade com os salicilatos. A aspirina e o subsalicilato de bismuto contêm o mesmo ingrediente activo, pelo não use aspirina enquanto estiver a tomar subsalicilato de bismuto. Em caso de alergia à aspirina, de gravidez ou de história de doença renal, de úlceras ou de perturbações hemorrágicas, consulte o médico antes de tomar subsalicilato de bismuto.

Não tome antibióticos para prevenir a diarreia, a menos que seja indicado pelo médico. Os antibióticos podem ter efeitos secundários, incluindo uma hipersensibilidade ao sol, reacções alérgicas e infecções vaginais por fungos. O tratamento antibiótico pode ser prescrito a pessoas com determinados problemas médicos, nas quais um surto de diarreia poderia ser perigoso.

Se estiver a realizar um cruzeiro internacional, os alimentos e as bebidas a bordo do barco são geralmente seguras. Todos os barcos de cruzeiro são regularmente inspeccionados para verificar a aderência às orientações sanitárias. Os relatórios destas inspecções estão disponíveis, para cada barco, no sítio da Internet dos CDC ou através da agência de viagens.

Tratamento

A desidratação constitui o principal perigo da diarreia do viajante, pelo que a reposição de líquidos é extremamente importante. Se a pessoa apresentar uma diarreia ligeira, deve ingerir caldos de carne, sumo de fruta diluído ou bebidas desportivas. Devem ser alternadas bebidas salgadas e doces (tais como sumo de tomate e sumo de fruta) para repor os electrólitos do organismo. Os electrólitos são as partículas com carga eléctrica que fazem parte dos sais. Electrólitos como o sódio, o potássio, o cloro, o cálcio e o magnésio desempenham um papel crucial em muitas funções das células do nosso corpo.

Se uma pessoa tiver uma diarreia grave (mais de cinco dejecções de fezes não formadas por dia) deve ingerir formulações especiais, chamadas “soluções de reidratação oral”, para repor os electrólitos perdidos. As farmácias da maior parte dos países dispõem destes produtos, que podem ser misturados com a água de beber. A pessoa pode igualmente fazer a sua própria solução adicionando meia colher de chá de sal, meia colher de chá de bicarbonato de sódio e quatro colheres de sopa de açúcar a um litro de água.

Deve ter-se em mente que os sumos de fruta, os caldos de carne e as bebidas desportivas não contêm a concentração correcta de electrólitos para esta finalidade.

Na maior parte dos casos, a diarreia termina ao fim de três a cinco dias, sem tratamento antibiótico. No entanto, é boa ideia obter uma prescrição médica e trazer um antibiótico no caso de ser necessário. O antibiótico deve ser tomado se a pessoa desenvolver sintomas moderados ou graves, tais como febre, mais de quatro episódios de diarreia por dia ou presença de muco ou sangue nas fezes. Os medicamentos como a loperamida podem ajudar a reduzir a frequência das dejecções mas não conseguem prevenir a diarreia e não eliminam a infecção.

 Eles são utilizados nas viagens de autocarro ou de automóvel longas ou em outras situações em que o acesso a uma casa de banho não está disponível ou é incómodo. Estes medicamentos podem, na verdade, prolongar a duração dos sintomas em certas infecções bacterianas.

Estes medicamentos devem ser suspensos e deve ser consultado um médico se a pessoa desenvolver dor abdominal, temperatura superior a 38,3ºC ou se apresentar sangue nas fezes.

Quando contactar um profissional

Obtenha cuidados médicos se a diarreia do viajante não terminar ao fim de cinco dias ou se desenvolver febre elevada, fezes com sangue ou dores abdominais.

Prognóstico

A diarreia do viajante é incómoda, mas raramente é grave. A complicação mais preocupante é a desidratação.

Informação adicional

Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral

http://www.apmcg.pt

UCS – Cuidados Integrados de Saúde, S.A

http://www.ucs.pt/

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: