O que é a Queda de Cabelo?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Dr. Hugo Morgado Dias

Validação Científica:

Dr. Fernando Guerra

Leia aqui o artigo:

A queda de cabelo pode variar desde uma rarefacção ligeira do cabelo até à calvície total. O cabelo pode caír por muitas razões diferentes e essa queda de pode ser incluída em diferentes categorias:

  • Eflúvio capilar telogénico — Esta forma comum de queda de cabelo ocorre dois ou três meses após um stress corporal significativo (como uma doença prolongada, cirurgia major ou infecção grave). Pode igualmente ocorrer após uma alteração súbita nos níveis hormonais, especialmente nas mulheres após o parto. Podem cair quantidades moderadas de cabelo de todas as zonas do couro cabeludo que podem ser observados numa almofada, na banheira ou numa escova de cabelo. Embora o cabelo possa parecer mais fino, é raro observar grandes áreas de alopécia.
  • Efeitos secundários medicamentosos — A queda de cabelo pode constituir um efeito secundário de determinados medicamentos, incluindo o lítio, os beta-bloqueantes, a varfarina, as anfetaminas e a levodopa (Sinemet, Stalevo). Além disso, muitos medicamentos usados na quimioterapia para o cancro — tal como a doxorrubicina (Adriamicina) — causam frequentemente uma queda de cabelo súbita que afecta a totalidade da cabeça (deflúvio anagénico).
  • Sintoma de uma doença médica ? A queda de cabelo pode ser um dos sintomas de doença médica, tal como o Lúpus Eritematoso Disseminado (LED), a sífilis, uma doença da glândula tiroideia (como o hipo ou hipertiroidismo), um desequilíbrio de uma hormona sexual ou um problema nutricional grave (deficiência de proteínas, de ferro, de zinco ou de biotina). Estas deficiências são mais comuns nas pessoas com dietas restritivas e nas mulheres com um fluxo menstrual muito abundante.
  • Tinea capitis ou tinha do couro cabeludo (infecção fúngica do couro cabeludo) — Esta forma de queda de cabelo em manchas ocorre quando determinados tipos de fungos parasitam o couro cabeludo. Isto faz com que o cabelo se quebre ao nível da superfície do couro cabeludo e que este apresente descamação cutânea. A tinha do couro cabeludo constitui uma forma comum de queda do cabelo em clareiras nas crianças.
  • Alopécia areata — Esta é uma doença em que há rejeição do pelo como se fosse uma doença auto-imune, que causa queda do cabelo numa ou em várias pequenas clareiras.  A causa deste problema é desconhecida, embora seja mais comum nas pessoas que apresentam outras doenças auto-imunes. Quando o mesmo processo causa uma queda de cabelo na totalidade do couro cabeludo é conhecida por alopécia total. Pode também ser queda da totalidade da pilosidade, chamando-se Alopécia Universal.
  • Alopécia traumática — Esta forma de queda do cabelo é causada por técnicas que puxam o cabelo (entrançamento ou entrelaçamento apertado), expõem o cabelo ao calor extremo e torção (ferro de frisar ou rolos quentes) ou que lesam o cabelo com substâncias químicas agressivas (descoloração, pintura do cabelo, permanente). Além disso, algumas pessoas sofrem de uma doença psiquiátrica pouco comum (tricotilomania) na qual o puxar e o torcer compulsivos do cabelo podem causar zonas de alopécia.
  • Padrão hereditário de alopécia ou alopécia androgénica — Nos homens, a queda do cabelo pode apresentar um padrão masculino típico (com retrocesso do limite frontal de implantação do cabelo e/ou uma diminuição da espessura do cabelo do topo da cabeça). Este é o tipo mais comum de queda do cabelo e pode iniciar-se em qualquer altura da vida de um homem, mesmo durante o período da adolescência. Esta situação é geralmente causada pela interacção de três factores: uma tendência hereditária para a calvície, as hormonas masculinas e o aumento da idade. Muitas mulheres irão desenvolver um certo grau de calvície com padrão feminino, em que a rarefacção pilosa ocorre em toda a parte superior ou coroa do couro cabeludo, poupando a região frontal.

Manifestações Clínicas

De um modo geral, as pessoas perdem aproximadamente 50 a 100 cabelos por dia. Se estiver a cair um número superior a este, pode encontrar quantidades excessivas de cabelos nas escovas, no vestuário e nos ralos do lavatório e da banheira. Pode notar igualmente que o cabelo se apresenta generalizadamente mas fino, que o risco de cabelo está mais largo, que o limite de implantação do cabelo se alterou ou que surgiram uma ou mais zonas de alopécia.

 Quando a queda de cabelo é resultante de um eflúvio capilar telogénico ou dos efeitos secundários de medicamentos, a queda de cabelo ocorre geralmente em toda a cabeleira, enquanto nas infecções fúngicas da tinha e na alopécia areata, a queda de cabelo ocorre em pequenas manchas. Além disso as infecções fúngicas de tinha podem causar sintomas adicionais, tais como uma descamação do couro cabeludo ou áreas de cabelos quebrados que têm o aspecto de pequenos pontos negros. Na alopécia traumática, a área de queda do cabelo depende do método de lesão do cabelo e segue um padrão causado pelos rolos quentes, pelo entrançamento do cabelo ou pelos tratamentos químicos. No padrão masculino de calvície, o limite de implantação do cabelo começa geralmente a retroceder inicialmente nas têmporas, seguido por uma rarefacção na parte superior da cabeça. Gradualmente, a área da coroa fica totalmente calva, deixando uma faixa de cabelo em volta da região posterior e das zonas laterais da cabeça.

Diagnóstico

O médico irá diagnosticar a causa da queda de cabelo com base na história clínica, nos medicamentos que o doente toma, no estado nutricional e no exame físico. Se o médico suspeitar de uma infecção fúngica do couro cabeludo, pode obter uma amostra para proceder a exames adicionais. Provavelmente serão necessárias análises de sangue se o médico suspeitar de uma doença médica (tal como um Lúpus Eritematoso Disseminado), de um problema da glândula tiroideia, de uma deficiência de ferro ou de um desequilíbrio das hormonas sexuais.

 Evolução Clínica

A duração da queda do cabelo depende da causa. No eflúvio capilar telogénico, por exemplo, o cabelo é geralmente perdido ao longo de várias semanas ou meses mas, volta a crescer durante os meses seguintes. Quando a queda de cabelo constitui um efeito secundário de um medicamento, o crescimento do cabelo geralmente regressa ao normal a partir do momento em que a administração do medicamento é interrompida. Se a pessoa estiver a perder cabelo devido à forma como o cabelo é tratado no cabeleireiro, a sua queda geralmente pára após a pessoa optar por um estilo de cabelo mais natural, excepto na alopécia de tracção (que resulta de anos a puxar o cabelo para formar tranças apertadas). Na infecção fúngica da tinha do couro cabeludo, o fungo que causa o problema deve ser tratado durante pelo menos seis a 12 semanas e o novo crescimento do cabelo pode ser lento. O tratamento precoce é importante para prevenir uma possível perda de cabelo permanente. Tanto o padrão masculino como o feminino de calvície tendem a agravar-se ao longo do tempo, mas podem ser tratados.

Prevenção

Algumas formas de queda do cabelo podem ser prevenidas através da minimização do stress, dieta saudável e da utilização de técnicas de cabeleireiro adequadas, bem como, se possível, pela modificação do tratamento para medicamentos que não causem queda de cabelo. A queda de cabelo secundária a infecções fúngicas pode ser prevenida através da manutenção do cabelo limpo e nunca partilhando chapéus, pentes ou escovas com outras pessoas. A queda de cabelo devido a um padrão hereditário de calvície pode, por vezes, ser prevenida com medicação.

Tratamento

A queda de cabelo que resulta do eflúvio capilar telogénico ou de efeitos secundários de medicamentos não requer geralmente qualquer tratamento para além da suspensão do medicamento que está a causar o problema. A limitação do traumatismo ou da exposição a substâncias químicas (como a utilização de secador de cabelo, desfrisador, colorações ou permanentes) pode limitar ou interromper a queda de cabelo. A queda de cabelo secundária a uma nutrição inadequada ou a uma doença médica, geralmente pára com a adopção de uma dieta saudável e o tratamento da doença médica subjacente. O tratamento de uma infecção fúngica do couro cabeludo requer a administração durante seis a 12 semanas de um medicamento por via oral, tal como a terbinafina (Lamisil) ou o itraconazol (Sporanox), com ou sem champôs contendo sulfato de selénio (Selsun, Selenix) ou quetoconazol (Nizoral). A alopécia areata pode ser tratada com um corticosteróide que é injectado ou aplicado na pele. Outros tratamentos para este problema incluem o creme de antralina, o minoxidil (Regaine) ou uma combinação destas terapêuticas.

Muitos homens e mulheres com um padrão hereditário de calvície não procuram tratamento para a queda de cabelo. Os que procuram cuidados médicos podem ser tratados com minoxidil tópico (Regaine), finasteride oral (Proscar) ou optar por realizar transplantes capilares ou uma cirurgia de redução do couro cabeludo.

Consulte o médico sempre que estiver preocupado com a queda de cabelo, especialmente se estiver a apresentar outros sintomas inexplicados.

Prognóstico

Muitas formas de queda de cabelo são autolimitadas (eflúvio capilar telogénico ou efeitos secundários de medicamentos) ou respondem ao tratamento com medicação (tinea capitis). Mesmo o padrão hereditário de calvície tende a melhorar com o tratamento. No entanto, o tratamento deve ser continuado indefinidamente. Em algumas situações, a queda de cabelo não pode ser revertida, especialmente no caso de se terem desenvolvido cicatrizes (tal como acontece na doença do couro cabeludo relacionada com o Lúpus Eritematoso Disseminado).

Informação adicional

Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venerelogia

http://www.dermo.pt/pt/home.asp

Sociedade Brasileira de Dermatologia

http://www.sbd.org.br/

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: