As fumadoras podem entrar na menopausa mais cedo

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:


Um estudo recente verificou que as mulheres que fumam tendem a atingir a menopausa um pouco mais cedo do que as não fumadoras. O estudo analisou 11 ensaios clínicos prévios que incluíram cerca de 6.000 mulheres. Em média, as não fumadoras alcançaram a menopausa entre os 46 e os 51 anos de idade. Em todos os estudos com exceção de dois, as fumadoras alcançaram a menopausa um pouco mais cedo, com uma média etária de 43 a 50 anos. Os investigadores analisaram igualmente cinco outros estudos que incluíram 43.000 mulheres. Elas foram agrupadas de acordo com o facto de terem tido uma menopausa “precoce” ou “tardia”. O limiar para uma menopausa “tardia” foi uma idade de 50 ou 51 anos. As mulheres que fumavam tinham uma probabilidade 43% maior de terem uma menopausa precoce. A menopausa precoce foi associada a um risco mais elevado de diversas doenças, como a doença cardíaca. Mas pensa-se que as mulheres com uma menopausa tardia têm um risco mais elevado de cancro da mama. A revista Menopause publicou o estudo na Internet e o serviço noticioso da Reuters Health escreveu sobre ele em 16 de outubro.

Qual é a reação do médico?

As mulheres que apresentam uma menopausa natural mais tardia têm uma maior probabilidade de viver mais tempo. A investigação suporta a associação entre uma menopausa mais tardia e uma menor incidência de doenças crónicas (de longa duração).

A relação pode ser explicada de diversas formas. É possível que uma menopausa tardia seja apenas um sinal de que a mulher tem um relógio biológico mais lento. Mas e se os anos suplementares de estrogénios naturais de alguma forma atrasarem o processo de envelhecimento?

A menopausa natural é definida pela ausência de períodos menstruais durante 12 meses. Os ovários deixam de produzir óvulos e deixam igualmente de fabricar estrogénios e progesterona. É possível que uma exposição mais prolongada aos estrogénios do próprio organismo contribua para uma taxa mais baixa de doença cardíaca, de acidente vascular cerebral, de osteoporose e de doença de Alzheimer.

No século XIX, a mulher média morria alguns anos após ter deixado de menstruar. Atualmente, as mulheres podem viver 30 a 50 anos após a menopausa natural. Assim, é importante compreender o motivo pelo qual uma menopausa natural mais tardia está associada a uma saúde melhor.

A saúde física e mental de uma mulher influencia a altura em que ocorre a menopausa natural. Os cientistas estão a começar a compreender os detalhes desta situação.

Um estudo recente indica que o tabagismo parece aumentar o risco de menopausa natural precoce. Os investigadores combinaram os resultados de diversos estudos bem executados que analisaram esta questão. Este tipo de estudo é denominado de meta-análise. Os investigadores publicaram os seus achados na Internet na revista Menopause.

O tabagismo encurta a esperança de vida por muitas razões. A associação entre o tabagismo e uma menopausa natural precoce é interessante. Mas não é provável que constitua a razão mais importante para as mulheres fumadoras morrerem mais cedo que o esperado.

Que alterações poderei efetuar agora?

A associação entre uma exposição mais longa às hormonas femininas naturais e uma saúde melhor complica a questão da terapêutica hormonal de substituição.

Faria sentido afirmar que uma exposição mais prolongada às hormonas femininas produzidas pelos ovários é a razão para uma saúde melhor e para uma vida mais longa. Mas este pode não ser o motivo real.

Uma exposição mais prolongada aos estrogénios e à progesterona parece ter desvantagens bem como benefícios.

Os estrogénios previnem e tratam os afrontamentos e a secura vaginal. Eles ajudam a manter os ossos fortes e parecem igualmente diminuir o risco de cancro colorrectal.

No entanto, quantidades excessivas de estrogénios promovem uma coagulação indesejada do sangue em algumas mulheres. Além disso, o tratamento medicamentoso com estrogénios e progesterona está associado a um risco mais elevado de cancro da mama.

Deveremos reconsiderar a utilização das terapêuticas com estrogénios nas mulheres quando elas entram na menopausa? Deverão os estrogénios ser utilizados para atrasar os sintomas quando ocorre a menopausa? A resposta pode vir a revelar-se afirmativa. A altura da instituição e o tipo de terapêutica com estrogénios pode ser muito importante.

Os estudos que deram uma má fama à terapêutica hormonal após a menopausa basearam-se principalmente em investigações realizadas em mulheres idosas. Além disso, nestes estudos, os estrogénios foram administrados sob a forma de comprimidos. Estes não são tão seguros como o tipo de estrogénios utilizados nos adesivos transdérmicos. Os adesivos transdérmicos que contêm estrogénios têm uma menor probabilidade de levar à formação de coágulos de sangue nas pernas.

Os estudos recentes sugerem que os estrogénios começados no início da menopausa ou pouco depois podem, na realidade, diminuir o risco de doença cardíaca. Mas ainda é demasiado cedo para as mulheres tomarem estrogénios apenas por esta razão.

Se tiver passado uma década ou mais de vida após a menopausa, evite a terapêutica hormonal. Esta iria provavelmente aumentar o risco de problemas que já são mais comuns nas mulheres idosas. A terapêutica hormonal neste estádio aumenta o risco de acidente vascular cerebral, de ataque cardíaco, de tromboembolismo e de cancro da mama.

Se uma mulher estiver a entrar na menopausa ou se já estiver nessa fase, a sua decisão de usar a terapêutica hormonal deve ser baseada nos sintomas. Os estrogénios constituem o tratamento mais eficaz para os afrontamentos, para a sudação noturna e para a secura da vagina. Se estes sintomas perturbarem a sua vida, pode decidir efetuar terapêutica hormonal. Nesse caso, deve tomar a dose mais baixa possível que proporcione alívio dos sintomas e durante o período de tempo mais curto possível.

O que poderei esperar ao olhar para o futuro?

Nas mulheres mais jovens, a terapêutica hormonal pode bem proporcionar alguns benefícios para a saúde para além do alívio dos sintomas de menopausa. Encontram-se atualmente em curso dois estudos para avaliar esta possibilidade. Os investigadores esperam publicar os seus resultados nos próximos dois anos.

Anúncios

Uma resposta to “As fumadoras podem entrar na menopausa mais cedo”

  1. António Fonseca Says:

    Bom estou de parabens, dado que andei a envenenar-me durante 42 anos e estou em jejum desse veneno à 10. Portanto, deixo um recado aos fumadores, se soubesse a diferença entre o que fuma ou não, nunca teria fumado, porque a qualidade de saúde é enorme.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: