Gravidez depois dos 35 anos

Fonte:

 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

Adaptação Científica:

Dr. Nuno Ferreira

Validação Científica:

Prof. João Bernardes

Actualmente, um número cada vez maior de mulheres está a ter filhos numa fase mais tardia da vida, nomeadamente depois dos 35 anos de idade.

Uma gravidez depois dos 35 anos de idade requer algumas precauções especiais, uma vez que pode ser mais arriscada do que uma gravidez durante o período óptimo, entre os 20 e os 34 anos de idade. No entanto, os avanços nos cuidados médicos tornaram a gravidez numa fase mais tardia segura e a maior parte das mulheres com trinta e cinco anos ou com mais de 40 têm gravidezes sem complicações e bebés saudáveis. Ainda assim, existem factores a ter em mente se estiver a ponderar engravidar depois dos 35 anos.

Diminuição da fertilidade. Pode ser mais demorado engravidar devido ao facto de existir uma diminuição na fertilidade a partir dos 30 anos de idade. Nesta altura as mulheres começam habitualmente a ovular com uma menor frequência ou têm uma maior susceptibilidade para apresentar endometriose, um problema em que tecido semelhante ao que reveste o útero se fixa aos ovários ou às trompas de Falópio, o que pode tornar a concepção mais difícil. Outros problemas podem igualmente acumular-se com a idade, o que pode diminuir a probabilidade da mulher engravidar. Assim, se a mulher tiver uma idade superior a 35 anos e tiver sido incapaz de conceber ao fim de seis meses, deve consultar o médico ou um especialista em fertilidade, uma vez que muitos destes casos de “infertilidade” podem ser tratados.

Risco mais elevado de aborto. As mulheres com idade superior a 19 anos apresentam taxas mais baixas de aborto, de parto prematuro e de nados-mortos do que as grávidas adolescentes ― porque o corpo das mães adolescentes ainda se encontra em desenvolvimento e porque estas mães têm uma maior probabilidade de viver em circunstância desvantajosas do ponto de vista social e económico, de consumir drogas ilícitas e álcool durante a gravidez, de apresentarem uma nutrição deficiente e de disporem de um acesso inadequado aos cuidados de saúde. Mas as mulheres com mais de 35 anos de idade enfrentam taxas mais elevadas de aborto do que as mulheres com idade inferior a 35 anos, enquanto as mulheres com mais de 40 anos podem enfrentar taxas substancialmente mais elevadas de aborto, que podem atingir os 40%. A maior parte destes abortos são causados por anomalias cromossómicas, que são mais comuns nas mulheres com idade superior a 35 anos.

Mais problemas de saúde durante a gravidez. As mulheres com mais de 35 anos de idade apresentam uma probabilidade duas vezes superior em comparação com as mulheres com idade compreendida entre os 20 e os 30 anos de desenvolverem hipertensão arterial ou diabetes durante a gravidez ― problemas que podem afectar adversamente a mãe e o feto durante a gravidez. Elas enfrentam igualmente um risco mais elevado de problemas hemorrágicos ou placentários durante a gravidez. À medida que as mulheres envelhecem, a incidência de problemas médicos não necessariamente relacionados com a gravidez (mas que podem complicar o seu curso) também aumenta.

Partos mais difíceis. As mulheres com idade superior a 30 anos que são mães pela primeira vez apresentam habitualmente um trabalho de parto mais difícil do que as mulheres mais jovens, incluindo um segundo estádio do trabalho de parto mais prolongado e mais sofrimento fetal. As mulheres com idade compreendida entre os 35 e os 39 anos podem apresentar uma probabilidade de 27,4% de necessitarem de um parto por cesariana e as mães com idade compreendida entre os 40 e os 49 anos podem ter uma probabilidade de 31,6% de ter o parto por esta via, sendo estas taxas superiores às das mulheres mais jovens. Elas apresentam igualmente uma maior probabilidade de ter gravidezes gemelares, de dois ou três fetos.

Risco mais elevado de doenças genéticas. Uma das maiores preocupações de uma gravidez numa mulher com mais idade é a maior probabilidade de ter um filho com determinadas alterações genéticas. O problema mais comum é a síndrome de Down, uma doença causada pela presença de um cromossoma adicional e que se encontra associada a um atraso mental e a outras anomalias físicas.

Por volta dos 25 anos de idade, uma grávida tem uma probabilidade de um em 1.250 de ter um bebé com uma síndrome de Down; aos 30 anos de idade, esta probabilidade é de um em 952, aos 35 anos é de um em 385 e aos 40 anos é de um em 106. Os testes pré-natais, tais como a amniocentese ou a biopsia das vilosidades coriónicas, podem detectar a presença de anomalias genéticas, como uma síndrome de Down, numa fase precoce da gravidez. Recentemente, tornou-se comum efectuar análises de sangue e uma ecografia especial denominada rastreio da translucência da nuca durante o primeiro trimestre da gravidez para efectuar o rastreio de anomalias.

Para ajudar a assegurar uma gravidez saudável, é essencial que as mulheres mais idosas cumpram as seguintes regras básicas da gravidez:

  • Obter cuidados pré-natais precoces e regulares, com início idealmente antes da concepção. O rastreio das malformações congénitas pode ser realizado através de uma amniocentese, de uma ecografia, de uma biopsia das vilosidades coriónicas e de testes de rastreio no soro materno.
  • Manter uma dieta saudável antes e durante a gravidez e procurar atingir um peso adequado para a altura antes de engravidar. O médico irá provavelmente recomendar uma dieta específica.
  • Ingerir 400 microgramas (0,4 mg) de ácido fólico por dia. Uma mulher pode obter esta quantidade na maior parte dos suplementos de multivitaminas.. Além dos suplementos, os alimentos ricos em ácido fólico incluem a alface e outros vegetais de folha verde, o feijão seco, as laranjas e o gérmen de trigo.
  • Não consumir bebidas alcoólicas nem fumar durante a gravidez. Deve ser evitado usar quaisquer medicamentos durante a gravidez ― incluindo os medicamentos de venda livre ― a menos que o seu médico concorde.

Informação adicional
Sociedade Portuguesa de Ginecologia e Obstetricia
http://www.spginecologia.pt/Direcção Geral de Saúde
http://www.dgs.pt/

 

3 Respostas to “Gravidez depois dos 35 anos”

  1. Rose Says:

    tenho 39 anos quero engravidar pela primeira vez , mas tenho medo q a criança nasce com problema so isso q tenho medo não sei o que fazer ter ou não ter.

    • info2hmsportugal Says:

      Cara Rose,

      Estando o Programa consciente e totalmente solidário com o seu pedido de ajuda, a politica editorial do Programa não permite fazer referenciação médica ou emitir segundas opiniões. O objetivo foca-se em dar informação complementar com a melhor base cientifica que não dispensa acompanhamento médico presencial.

      Esperemos que compreenda o nosso posicionamento e esperamos que na informação que produzimos lhe consigamos ser útil.

      Sinceros cumprimentos

    • info2hmsportugal Says:

      Estando o Programa consciente e totalmente solidário com o seu pedido de ajuda, a politica editorial do Programa não permite fazer referenciação médica ou emitir segundas opiniões. O objetivo foca-se em dar informação complementar com a melhor base cientifica que não dispensa acompanhamento médico presencial.

      Esperemos que compreenda o nosso posicionamento e esperamos que na informação que produzimos lhe consigamos ser útil.

      Sinceros cumprimentos


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: