Como retardar a doença cardíaca e o acidente vascular cerebral?

Dr. Eduardo Mendes

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreComo retardar a doença cardíaca e o acidente vascular cerebral?” com o Dr. Eduardo Mendes: Como retardar a doença cardíaca e o acidente vascular cerebral?

Leia o texto do áudio aqui:

Durante muitos anos, era uma questão de fé acreditar que manter uma dieta com um baixo teor de gordura reduzia o risco de doença cardíaca e, possivelmente, de acidentes vasculares cerebrais.

Mas a investigação adicional mostrou que determinadas gorduras ― provenientes sobretudo de fontes vegetais e do peixe ― podem reduzir o risco de ataque cardíaco e de acidente vascular cerebral, sendo assim mais saudáveis.

Nas pessoas com doença cardíaca, os estudos mostram que uma dieta saudável que inclua muitas destas gorduras pode poupar tantas vidas como os medicamentos habitualmente prescritos para o coração.

Assim, procure utilizar óleos vegetais, nomeadamente o azeite, e poucas ou nenhumas gorduras más.

A investigação mostra que é mais saudável substituir as gorduras más por gorduras boas do que cortar todas as gorduras da sua dieta.

Leia o artigo aqui: Como retardar a doença cardíaca e o acidente vascular cerebral?

Anúncios

O que é um aneurisma da aorta abdominal?


Veja o vídeo aqui com o Professor José Fernandes e Fernandes,  Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa:

Leia o artigo aqui:

Fonte:

 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

O que é?

Um aneurisma da aorta abdominal é uma dilatação anormal potencialmente fatal (frequentemente com a forma de balão) de um segmento da maior artéria do corpo, a aorta, verificando-se nestas circunstâncias que a parede da artéria forma uma saliência em vez de permanecer direita.
A aorta transporta sangue rico em oxigénio do coração para artérias mais pequenas espalhadas pelo corpo. Um aneurisma abdominal ocorre na aorta abdominal, a zona da aorta que se situa entre a parte de baixo do peito e a região pélvica.

Normalmente, a aorta mede cerca 2,5 centímetros de diâmetro, mas o seu tamanho aumenta muito gradualmente com o avançar da idade. Se a secção da aorta abdominal tiver mais de 3 centímetros de diâmetro, diz-se que a pessoa tem um aneurisma da aorta abdominal.

Leia o resto deste artigo »

TAC e Ressonância Magnética Nuclear (RMN)

Margarida Ferreira

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre TAC e Ressonância Magnética Nuclear com Margarida Ferreira: TAC e Ressonância Magnética Nuclear

Leia o texto do áudio aqui:

A TAC é um exame indolor que utiliza raios X para produzir uma imagem do interior do corpo.

Pode ser usada para estudar infeções, acidentes vasculares cerebrais (AVCs), traumatismos e massas anormais suspeitas de serem tumores.

Apesar de segura, implica uma exposição a raios X superior à das radiografias, pelo que não deve ser usada para as substituir. Deve ser usada em situações específicas e com indicações precisas.

Também devido à radiação, não deve ser realizada pelas mulheres que possam estar grávidas.

 A ressonância magnética nuclear (RMN) produz imagens do interior do corpo, utilizando um campo magnético. Pode ser usada para a deteção de problemas no cérebro, estudo do sistema músculo-esquelético e de tumores cancerosos em vários órgãos.

É indolor e não tem riscos nem efeitos secundários mas não pode ser realizada pelos portadores de implantes metálicos ou elétricos (como sejam pacemakers ou próteses articulares).

Leia os artigos aqui: TAC e Ressonância Magnética Nuclear (RMN)

O que é um Transplante Cardíaco?

Dr. Ângelo Nobre

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Transplante Cardíaco, pelo Dr. Ângelo Nobre: “O que é um Transplante Cardíaco?

Leia aqui o texto do áudio:

Um transplante cardíaco é uma cirurgia na qual um doente com um problema do coração potencialmente fatal recebe um novo coração saudável de uma pessoa que morreu. No transplante cardíaco, o doente que recebe um novo coração (o receptor) é alguém que apresenta um risco de 30 a 70% de morrer dentro de um ano sem um novo coração. A pessoa que fornece o coração saudável (o dador) é geralmente alguém que foi declarado em morte cerebral e que ainda se encontra ligado a máquinas de suporte de vida.

O receptor e o dador devem ser compatíveis, o que significa que determinadas proteínas nas suas células (denominadas antigénios) são semelhantes. Uma compatibilidade adequada irá reduzir o risco de o sistema imunitário do receptor considerar o coração do dador como um objecto estranho, atacando-o num processo denominado de rejeição do órgão.

Leia ainda o artigo sobre: O que é um Transplante de Coração?

O que é um Bypass Coronário?

Dr. Ângelo Nobre

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Bypass Coronário, pelo Dr. Ângelo Nobre:

“O que é um Bypass Coronário?

Leia o artigo do áudio aqui:

O bypass coronário, também denominado cirurgia de pontagem coronária ou de revascularização coronária, é um procedimento que permite que o sangue contorne (ou faça uma ponte sobre) uma secção obstruída em uma ou mais artérias coronárias.

As artérias coronárias são os vasos sanguíneos que fornecem oxigénio e nutrientes ao coração.

Na doença coronária o lúmen (interior) destas artérias encontra-se estreitado pela acumulação de gordura e de colesterol em placas (aterosclerose), com diminuição da quantidade de sangue que chega ao coração.

Habitualmente esta intervenção cirúrgica é necessária nos casos em que diversas artérias coronárias estão obstruídas de forma generalizada. E o que acontece é que o cirurgião utiliza um vaso sanguíneo de outra parte do corpo para formar um novo canal (pontagem) de modo a que o sangue possa fluir contornando a área obstruída de uma ou mais artérias.

Veja ainda o vídeo aqui: “O que é exactamente um Bypass Coronário?

Leia também o artigo: “O que é um Bypass Coronário”

O que é uma Substituição Valvular?

Dr. Ângelo Nobre

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Substituição Valvular, pelo Dr. Ângelo Nobre: “O que é uma Substituição Válvular?

Leia aqui o texto do áudio:

Por vezes, uma válvula cardíaca natural que não está a funcionar apropriadamente necessita de ser substituída cirurgicamente por uma prótese valvular, que é um substituto de tecido ou sintético que tem por objectivo imitar os movimentos normais de abertura e de encerramento da válvula natural. Uma prótese valvular pode substituir qualquer das quatro válvulas cardíacas ― aórtica, mitral, pulmonar e tricúspide. As próteses valvulares cardíacas são divididas em duas categorias básicas: válvulas mecânicas sintéticas e válvulas biológicas de tecido humano ou animal.

De um modo geral, as válvulas biológicas são menos duráveis do que as válvulas mecânicas, tendo uma maior probabilidade de sofrer desgaste e de necessitar de substituição. Por este motivo, as válvulas biológicas são utilizadas mais frequentemente nas pessoas com idades a partir de 65-70 anos, uma vez que a sua esperança de vida é mais baixa.

Leia ainda o artigo sobre: “O que é uma Substituição Valvular?

O que é a Endocardite?

Dr. Ângelo Nobre

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Endocardite, pelo Dr. Ângelo Nobre: “O que é a Endocardite?”

Leia aqui o texto do áudio:

A endocardite, ou endocardite infecciosa, é uma infecção com inflamação das válvulas cardíacas e do revestimento interno das câmaras cardíacas, o endocárdio. A endocardite ocorre quando microrganismos infecciosos, tais como bactérias ou fungos, entram na corrente sanguínea e se fixam no coração. Na maior parte dos casos, estes microrganismos são estreptococos, estafilococos ou estirpes de bactérias que normalmente vivem na superfície do corpo. O microrganismo infectante entra na corrente sanguínea através de uma ferida cutânea causada por uma doença ou uma lesão da pele, um procedimento médico ou dentário ou uma picada na pele, especialmente nos consumidores de drogas endovenosas.

Dependendo da agressividade (virulência) do germe infectante, a lesão do coração causada pela endocardite pode ser rápida e grave (endocardite aguda) ou mais lenta e menos dramática (endocardite subaguda).

Leia ainda o artigo sobre Endocardite: “O que é a Endocardite?