Mitos e Crenças na Saúde: a grávida não deve beber café

Prof. Luis Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreMitos e Crenças na Saúde: a grávida não deve beber café” com Com o Professor Luís Graça: Mitos e Crenças na Saúde: a grávida não deve beber café

Não existe qualquer relação entre a cafeína e a ocorrência de malformações fetais. Porém, a ingestão de grandes quantidades de cafeína pode associar-se a situações de restrição do crescimento do bebé.
Assim, considera-se como limite de segurança a ingestão de menos de 300 mg por dia de cafeína. Saiba que um café expresso contém entre 75 e 100 mg de cafeína, pelo que se tomar 2 cafés por dia estará muito abaixo do limite indicado. Note que, ao contrário do que geralmente se pensa, o café expresso, apesar de ser mais espesso, contém menor teor de cafeína que o café de saco ou de balão.
Por outro lado, o café dito “descafeinado” contém sempre alguma cafeína (cerca de 20% da do café normal). Se for esta a sua opção, obviamente que, sem exageros, pode aumentar o número de chávenas que toma diariamente.
Saiba também que certos refrigerantes (colas, por exemplo), além de indesejáveis grandes quantidades de açúcar, têm na sua formulação cerca de 50 mg de cafeína por lata. Esteja atenta a este facto.

Anúncios

Mitos e Crenças na Saúde: a gravidez e as viagens de avião – II

Prof. Luis Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreMitos e Crenças na Saúde: a gravidez e as viagens de avião II” com Com o Professor Luís Graça: Mitos e Crenças na Saúde: a gravidez e as viagens de avião II

Leia o texto do áudio aqui:

Se está grávida deve tomar algumas precauções ao viajar por via aérea.
Na 2ª metade da gravidez, não planeie viagens de avião muito prolongadas (mais de 4 horas), excepto se forem mesmo imprescindíveis.
Seja qual for a duração da viagem, a longa imobilização aumenta o risco de ocorrerem tromboses e embolias. Para minimizar esse risco, utilize meias elásticas durante toda a viagem, beba bastante água, proceda frequentemente a exercícios dos membros inferiores (estender e flectir os pés, por exemplo) e caminhe ao longo do corredor a intervalos regulares.
Se costuma ficar enjoada quando viaja de avião, é possível que esse sintoma seja mais intenso quando está grávida. Nesse caso, antes da descolagem tome um comprimido de um dos medicamentos que são correntemente prescritos para o tratamento das náuseas próprias da gravidez.
Mesmo que o voo decorra sem turbulência, enquanto estiver sentada conserve sempre o cinto de segurança apertado; na gravidez mais avançada coloque-o por baixo da sua barriga. Essa atitude contribui para a sua segurança e a do seu bebé.

Mitos e Crenças na Saúde: a grávida não deve vacinar-se contra a gripe

Prof. Luis Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreMitos e Crenças na Saúde: a grávida não deve vacinar-se contra a gripe” com o Professor  Doutor Luís Graça: Mitos e Crenças na Saúde: a grávida não deve vacinar-se contra a gripe

Apesar de todas as explicações dadas durante a recente epidemia de gripe A, continua a haver grávidas (e médicos!) que têm receio da vacinação contra a gripe.
O Colégio Americano de Obstetrícia e Ginecologia e a Sociedade Portuguesa de Obstetrícia recomendam a vacinação de todas as grávidas contra a gripe.
A vacina anti-gripal injectável (com vírus morto) é completamente inócua para o feto e protege a grávida de uma infecção que pode ser extremamente grave, dado que as suas defesas estão diminuídas pelas hormonas da gravidez. O risco de doença respiratória grave e mesmo de morte pela gripe (principalmente quando está implicado o vírus do tipo A) é significativamente maior na mulher grávida do que na população em geral.
Se está grávida, não deixe de se vacinar contra a gripe. Se lhe resta algum receio, faça-o quando atingir as 12 semanas. Lembre-se que, ao vacinar-se, o seu bebé também fica protegido.

Edição da Manhã, SIC Notícias: Mitos e Crenças com Prof Luis Graça – “A Grávida tem que comer por dois!”

Prof. Luis Graça

O Prof. Luis Graça, Obstetra e Consultor Cientifico do Programa Harvard Medical School-Portugal/ Chefe do Serviço de Obstetricia do Hospital de Santa Maria, esteve no programa Edição da Manhã, da SIC Notícias, para falar sobre Mitos na Saúde, desta vez sobre a Gravidez, desmistificando a teoria “A Grávida tem que comer por dois!”.

Veja o vídeo aqui:

 

Leia o artigo aqui: Mitos e crenças: “A grávida tem de comer por dois”

Edição da Manhã, SIC Notícias: Mitos e Crenças com Prof Vaz Carneiro fala sobre a Vitamina C

Prof.António Vaz Carneiro

O Prof. António Vaz Carneiro, Director de Informação do Programa Harvard Medical School Portugal, esteve no programa Edição da Manhã, da SIC Notícias, para falar sobre Mitos na Saúde, desta vez sobre a Vitamina C como ajuda para combater a gripe.

Veja o vídeo aqui:

Veja ainda os vídeos de Mitos e Crenças na Saúde:

Mitos e Crenças na Saúde: A cesariana é o tipo de parto mais vantajoso para o seu bebé

Prof. Luís Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Mitos e Crenças na saúde, pelo Prof. Luis Graça: “A cesariana é o tipo de parto mais vantajoso para o seu bebé”

Leia o artigo aqui:

A resposta a esta pergunta é NÃO. De facto, numa mulher saudável com uma gravidez normal de um só feto, de termo ou próximo do termo, e que entre espontaneamente em trabalho de parto, a cesariana só terá indicação se o feto mostrar sinais de “sofrimento” no decurso do parto (o que é raro) ou se ocorrer uma paragem secundária da dilatação e/ou da progressão do móvel fetal.

Leia o resto deste artigo »

Mitos e Crenças na Saúde: É seguro fazer nascer o bebé logo que a gravidez chega ao termo

Autor: Prof. Luis Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Mitos e Crenças na saúde, pelo Prof. Luis Graça: “É seguro fazer nascer o bebé logo que a gravidez chega ao termo”

Leia o artigo aqui:

A gravidez normal dura, em média, 40 semanas contadas a partir do 1º dia da última menstruação, mas considera-se que o termo se atinge depois de completadas as 37 semanas. Isto não significa que todos os bebés tenham atingido, neste momento, a maturidade completa. Por estes motivos, a gravidez normal, desde que correctamente vigiada, pode prosseguir em segurança até se ultrapassarem as 41 semanas, altura em que deve ponderar-se a indução do parto.

Leia o resto deste artigo »