Dicas sobre Saúde

As grávidas com mais de 35 anos, apresentam uma maior probabilidade de desenvolverem hipertensão arterial ou diabetes durante a gravidez.

Anúncios

Diabetes gestacional

Dr. Pedro Azevedo

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreDiabetes gestacional” com o Dr. Pedro Azevedo: Diabetes gestacional

Leia o texto do áudio aqui:

A diabetes gestacional é o aparecimento, durante a gravidez, de níveis mais elevados de açúcar no sangue do que os esperados, surgindo na sequência de um bloqueio hormonal, quando a glicose do sangue não consegue ser removida para dentro das células que a utilizam como combustível.

Este problema afecta uma em cada vinte grávidas, a maioria no 3.º trimestre, e na maior parte das mulheres desaparece quando a gravidez termina. Porém, as grávidas que tiveram diabetes gestacional apresentam maior risco de desenvolver diabetes tipo 2 fora da gravidez.

Os sintomas incluem aumento da sede, micções mais frequentes, perda de peso apesar do aumento do apetite, infecções por fungos, entre outros. Contudo, a maioria das mulheres não apresenta sintomas e é necessário fazer o rastreio. O diagnóstico faz-se através da prova da tolerância à glicose oral, devendo acontecer entre as 24 e as 28 semanas de gravidez.

As mulheres que têm excesso de peso, história familiar de diabetes ou que apresentem sinais/sintomas sugestivos de diabetes têm maior risco para diabetes gestacional.

Na maioria dos casos, esta doença não pode ser prevenida, no entanto, um controlo cuidadoso do peso antes da gravidez pode reduzir o risco, já que esta doença acarreta complicações na altura do parto por bebés maiores que o previsto e aumenta o risco de morte fetal.

Leia o artigo aqui: Diabetes gestacional

Mitos e Crenças na Saúde: A grávida não deve aumentar mais de 10 quilos!

Autor: Prof. Luis Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Mitos e Crenças na saúde, pelo Prof. Luis Graça: “A grávida não deve aumentar mais de 10 quilos!”

Leia o artigo aqui:

Este é um dos temas em que se ouvem e lêem maiores disparates.

Está bem evidenciado que o aumento médio de peso em mulheres com um Índice de Massa Corporal normal antes de engravidarem deve rondar os 12,5 kg, com variação entre os 10 e os 15 kg. Este aumento de peso não deve ser uniforme: cerca de 4 kg nas primeiras 20 semanas e 8,5 kg nas últimas 20.

As componentes do aumento ponderal na grávida são diversas. Se, no termo, o conjunto do feto, placenta e líquido amniótico corresponde a cerca de 5 kg, há que adicionar o correspondente à expansão do volume do sangue (cerca de 1,5kg), o aumento de peso do útero e das mamas (mais 1,5kg), do líquido fisiologicamente retido fora dos vasos e das reservas calóricas da grávida (que somam 4 a 5 kg), o que perfaz 12 a 13 kg.

Aumentos ponderais muito pequenos (inferiores a 7kg) correspondem habitualmente a dietas excessivamente restritivas, que se podem associar a deficiente crescimento do feto e a anomalias do desenvolvimento neuro-comportamental da criança.

Aumentos ponderais excessivos (16kg ou mais) têm uma relação estreita com o nascimento de bébés com mais de 4 kg, com as inerentes complicações do parto, e/ou com o aparecimento de diabetes gestacional na mulher grávida.

Diabetes Gestacional

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Dr. André Carvalho

Validação Científica:

Profª. Olinda Marques

O que é?

A diabetes gestacional é o aparecimento de níveis mais elevados de açúcar (glicose) no sangue do que os esperados durante a gravidez. Tal como acontece nos outros tipos de diabetes, a diabetes gestacional surge quando a glicose na circulação sanguínea não consegue ser removida eficientemente para dentro das células do organismo, como as células musculares, que normalmente utilizam a glicose como combustível. A insulina é a hormona que ajuda a remover a glicose da circulação sanguínea para dentro das células. Na diabetes gestacional, o organismo não responde bem à insulina, a menos que esta possa ser produzida ou fornecida em maiores quantidades.

Este problema afecta uma em cada vinte grávidas e na maior parte das mulheres desaparece quando a gravidez termina. Porém, as grávidas que tiveram diabetes gestacional apresentam um risco acrescido de desenvolverem diabetes tipo 2 anos mais tarde.

A diabetes ocorre durante a gravidez em consequência das hormonas produzidas neste período tornarem o organismo mais resistente aos efeitos da insulina (hormona de crescimento e lactogénio placentário humano). Estas hormonas, embora essenciais para uma gravidez e um feto saudáveis, bloqueiam parcialmente a acção da insulina. Na maior parte das mulheres, o seu pâncreas reage a esta situação produzindo uma quantidade adicional de insulina, suficiente para ultrapassar a resistência a esta hormona. Porém, nas mulheres com diabetes gestacional, não é produzida insulina suplementar suficiente, pelo que a glicose se acumula na circulação sanguínea surgindo a diabetes.

Leia o resto deste artigo »