O que é a Endocardite?

Dr. Ângelo Nobre

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Endocardite, pelo Dr. Ângelo Nobre: “O que é a Endocardite?”

Leia aqui o texto do áudio:

A endocardite, ou endocardite infecciosa, é uma infecção com inflamação das válvulas cardíacas e do revestimento interno das câmaras cardíacas, o endocárdio. A endocardite ocorre quando microrganismos infecciosos, tais como bactérias ou fungos, entram na corrente sanguínea e se fixam no coração. Na maior parte dos casos, estes microrganismos são estreptococos, estafilococos ou estirpes de bactérias que normalmente vivem na superfície do corpo. O microrganismo infectante entra na corrente sanguínea através de uma ferida cutânea causada por uma doença ou uma lesão da pele, um procedimento médico ou dentário ou uma picada na pele, especialmente nos consumidores de drogas endovenosas.

Dependendo da agressividade (virulência) do germe infectante, a lesão do coração causada pela endocardite pode ser rápida e grave (endocardite aguda) ou mais lenta e menos dramática (endocardite subaguda).

Leia ainda o artigo sobre Endocardite: “O que é a Endocardite?

Anúncios

O que é a Endocardite

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Leia o artigo aqui:

O que é?

A endocardite, ou endocardite infecciosa, é uma infecção com inflamação das válvulas cardíacas e do revestimento interno das câmaras cardíacas, o endocárdio. A endocardite ocorre quando microrganismos infecciosos, tais como bactérias ou fungos, entram na corrente sanguínea e se fixam no coração. Na maior parte dos casos, estes microrganismos são estreptococos, estafilococos ou estirpes de bactérias que normalmente vivem na superfície do corpo. O microrganismo infectante entra na corrente sanguínea através de uma ferida cutânea causada por uma doença ou uma lesão da pele, um procedimento médico ou dentário ou uma picada na pele, especialmente nos consumidores de drogas endovenosas.

Dependendo da agressividade (virulência) do germe infectante, a lesão do coração causada pela endocardite pode ser rápida e grave (endocardite aguda) ou mais lenta e menos dramática (endocardite subaguda).

  • Endocardite aguda ― A endocardite aguda ocorre frequentemente quando uma estirpe agressiva de bactérias da pele, especialmente estafilococos, entra na circulação sanguínea e ataca uma válvula cardíaca normal, sem lesões. Quando estas bactérias começam a multiplicar-se dentro do coração podem enviar pequenos agregados de bactérias, denominados êmbolos sépticos, para a corrente sanguínea, disseminando a infecção para outros órgãos, especialmente para os rins, os pulmões e o cérebro. Os consumidores de drogas endovenosas apresentam um risco muito elevado de desenvolverem endocardite aguda devido ao facto de numerosas punções por agulhas proporcionarem a bactérias agressivas, como os estafilococos, muitas oportunidades de entrarem no sangue através das feridas da pele. A utilização de utensílios sujos para preparar e injectar as drogas aumenta o risco. Se não for tratado, este tipo de endocardite pode ser fatal em menos de seis semanas.
  • Endocardite subaguda ― Esta forma de endocardite é mais frequentemente causada por um dos estreptococos do grupo viridans (Streptococcus sanguis, mutans, mitis ou milleri) que normalmente residem na boca ou na garganta. O Streptococcus bovis ou o Streptococcus equines podem igualmente causar uma endocardite subaguda, tipicamente nos doentes que apresentam alguma forma de cancro gastrointestinal, geralmente um cancro do cólon. A endocardite subaguda tende a envolver as válvulas cardíacas que já se encontram lesadas e geralmente apresenta uma menor probabilidade de causar êmbolos sépticos do que a endocardite aguda. Se não for tratada, a endocardite bacteriana subaguda pode agravar-se durante até um ano antes de ser fatal.

Leia o resto deste artigo »

O que é a Pericardite?

Fonte: 

Tradução e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pelo Prof. Lino Gonçalves: «O que é a pericardite?»

Leia aqui o artigo:

O que é?

A pericardite é uma inflamação do pericárdio, isto é, da membrana que forma uma espécie de saco em volta do coração, e pode ser desencadeada por múltiplos problemas médicos muito diferentes, incluindo:

  • Infecção viral ― A pericardite viral pode ser causada por uma infecção por diversos tipos de vírus, incluindo coxsackievirus, echovirus, adenovírus, vírus da imunodeficiência humana (VIH), vírus que causam papeira ou vírus que causam hepatite.
  • Infecção piogénica (produtora de pus) ― A pericardite piogénica é uma infecção que envolve o coração e que produz pus. Tem diversas causas, incluindo a ruptura (abertura) do esófago (tubo do aparelho digestivo que vai da boca até ao estômago), uma infecção após uma cirurgia cardiotorácica ou a disseminação de uma endocardite (uma infecção do revestimento interno do coração e das válvulas cardíacas).
  • Tuberculose ― A pericardite tuberculosa pode ocorrer como parte de uma infecção tuberculosa activa.
  • Urémia ― A pericardite urémica pode ocorrer em pessoas com urémia, que é uma acumulação de ureia e de outros produtos residuais do sangue causados por uma falência renal.
  • Ataque cardíaco (enfarte do miocárdio) ― A pericardite pode ser desencadeada por uma destruição do músculo cardíaco num ataque cardíaco.
  • Traumatismo cardíaco ― Tal como no ataque cardíaco, a lesão do coração causada por um traumatismo (um ferida perfurante ou uma pancada forte no tórax) ou uma cirurgia cardíaca podem igualmente desencadear uma pericardite.
  • Doença reumática ou doença vascular do colagénio ― As doenças reumáticas (artrite reumatóide, esclerodermia e poliarterite nodosa) e as doenças vasculares do colagénio, especialmente o lúpus eritematoso disseminado, podem igualmente causar pericardite.

Leia o resto deste artigo »

Prova de Esforço: o que é?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Dr. Rui Cruz Ferreira

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Testes de Diagnóstico pelo Dr. João Sousa: Prova de Esforço

Leia o artigo aqui:

O que é?

A prova de esforço, também conhecida como prova do tapete rolante ou prova de tolerância ao exercício, indica se o coração consegue obter fluxo de sangue e oxigénio suficientes quando está a trabalhar no seu máximo, durante o exercício físico. As provas de esforço são por regra realizadas em pessoas com dor no peito ou com outros sintomas que sugerem uma doença coronária, habitualmente após um exame médico e realização de um electrocardiograma (ECG). No entanto, estes exames são, por vezes, usados para outros fins, como a avaliação da eficácia de um tratamento para a doença cardíaca ou a aferição da segurança de um programa de exercício proposto.

A saúde do coração pode ser examinada durante e após o exercício físico, quer através da realização de um ECG quer de um ecocardiograma (ecografia do coração). Quando neste teste se utiliza um ecocardiograma é usada a denominação “ecocardiograma de esforço ou de sobrecarga”.

As provas de esforço encontram-se entre os melhores instrumentos para o diagnóstico de doença cardíaca e alguns estudos sugerem que podem igualmente ser úteis para estimar o risco de doença nas pessoas que não têm sintomas mas que apresentam factores de risco como, por exemplo, um nível elevado de colesterol no sangue. A realização de uma prova de esforço deverá ser considerada em pessoas, sobretudo com mais de 40 anos, que apresentam um risco aumentado de doença coronária devido, por exemplo, ao facto de fumarem ou serem hipertensas.

Leia o resto deste artigo »

O que é um Prolapso da Válvula Mitral?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Macedo

Validação Científica:

Prof.António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pelo Prof. Filipe Macedo: O que é um Prolapso da Válvula Mitral?

Veja o vídeo aqui: Prolapso da Válvula mitral

Leia o artigo aqui:

O que é?

O prolapso da válvula mitral consiste num mau funcionamento da válvula mitral do coração, a porta física entre a aurícula esquerda e o ventrículo esquerdo. Normalmente, a válvula mitral encerra-se quando os músculos do ventrículo esquerdo se contraem, evitando que o sangue reflua para trás, isto é, para a aurícula esquerda, quando o coração bombeia o sangue para o resto do corpo. No entanto, no prolapso da válvula mitral, uma deformidade ligeira da válvula mitral impede que esta encerre normalmente. Isto revela-se como uma frouxidão anormal, ou prolapso, da válvula. Como resultado, pequenas quantidades de sangue refluem para a aurícula esquerda, com muito pouco efeito sobre a capacidade global do coração para bombear o sangue.

Em algumas pessoas, esta fuga agrava-se de forma a criar um refluxo significativo de sangue para a aurícula esquerda, denominado regurgitação mitral. As pessoas com uma regurgitação mitral grave podem desenvolver sintomas como falta de ar, fadiga e pernas inchadas. Raramente, pode ser necessária uma cirurgia cardíaca para reparar a válvula lesada.

Na maior parte das pessoas com um prolapso da válvula mitral, a causa é desconhecida. No entanto, num pequeno número de doentes, o prolapso da válvula mitral pode estar relacionado com outra doença médica, como uma anomalia hereditária na forma como o corpo produz colagénio (tecido conjuntivo) ou uma doença cardíaca reumática (uma complicação rara de uma amigdalite estreptocócica).

Os especialistas estimam que o prolapso da válvula mitral afecte actualmente até 5% da população. Por razões desconhecidas, o problema é mais comum nas mulheres entre os 14 e os 30 anos. O problema afecta por vezes diversos membros da mesma família e existe alguma evidência de que a situação possa ser hereditária.

Leia o resto deste artigo »

Miocardite

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pela Prof. Dulce Brito: O que é uma Miocardite?

Leia o artigo aqui:

O que é?

A miocardite é uma inflamação do músculo cardíaco que diminui a força do coração para bombear o sangue normalmente. Esta situação pode ser causada por:

Uma infecção – Muitas infecções têm sido associadas à miocardite. Alguns dos germes mais comuns incluem:

Infecções virais – As infecções virais são uma causa comum de miocardite. Muitos vírus diferentes podem causar miocardite, sendo o coxsackievirus B um agente responsável muito comum. Outros vírus incluem os echovirus, os vírus influenza (gripe) e os vírus de Epstein-Barr, da rubéola, da varicela, da papeira e da hepatite. Frequentemente, a pessoa não tem sintomas precedentes de resfriado, tosse, congestão nasal ou erupção cutânea e apenas se apercebe da infecção quando ocorre uma falência cardíaca.

Infecção pelo VIH – Cerca de 10% das pessoas com infecção pelo VIH desenvolvem miocardite, quer devido ao facto de o VIH invadir directamente o músculo cardíaco quer por o sistema imunitário enfraquecido do doente tornar o músculo cardíaco mais susceptível ao ataque por outras infecções.

Bactérias – Raramente, a miocardite constitui uma complicação da endocardite, uma infecção das válvulas cardíacas e do revestimento interno das câmaras cardíacas causada por bactérias. Algumas das bactérias responsáveis pela miocardite incluem o Staphylococcus aureus, os enterococos e o Corynebacterium diphtheriae (a causa da difteria). Em cerca de 25% das pessoas com difteria, uma toxina (veneno) produzida pela bactéria C. diphtheriae causa uma forma de miocardite que conduz a uma flacidez e distensão do músculo cardíaco, tornando-o incapaz de bombear o sangue eficientemente, podendo desenvolver-se uma insuficiência cardíaca grave durante a primeira semana da doença.

Doença de Chagas – Esta infecção, causada por um protozoário, o Trypanosoma cruzi, é transmitida através da picada de um insecto. A miocardite causada pela Doença de Chagas é mais comum nos imigrantes da América Central e do Sul ou nos viajantes dessas áreas. Em até um terço das pessoas com doença de Chagas, desenvolve-se uma forma de miocardite crónica (de longa duração) muitos anos depois da primeira infecção, conduzindo a uma destruição significativa do músculo cardíaco com insuficiência cardíaca progressiva.

Miocardite de Lyme – A doença de Lyme, uma infecção provocada por uma bactéria transmitida por carraças, a Borrelia burgdorferi, causa miocardite ou outros problemas cardíacos em cerca de 10% dos doentes.

Substâncias tóxicas e determinados medicamentos – A miocardite pode igualmente ser causada pelo consumo excessivo de álcool, por radiações ou por produtos químicos (hidrocarbonetos e arsénico), assim como por determinados medicamentos (incluindo a doxorrubicina, a ciclofosfamida, a emetina, a cloroquina e as sulfamidas).

Outros agentes – Um estudo recente revelou que o stress emocional intenso pode produzir uma falência cardíaca que tem início abruptamente, com evidência de inflamação do músculo cardíaco.

Doença inflamatórias – Estas doenças incluem o lúpus eritematoso disseminado e outras doenças auto-imunes, a sarcoidose e a tireotoxicose (uma tiroideia muito hiperactiva).

Outro tipo de miocardite é a miocardiopatia peri-parto. Por razões inexplicadas, algumas mulheres desenvolvem uma má função do músculo cardíaco na última fase da gravidez ou pouco depois do nascimento do bebé. Esta situação é rara.

Leia o resto deste artigo »