O que é a Pericardite?

Fonte: 

Tradução e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pelo Prof. Lino Gonçalves: «O que é a pericardite?»

Leia aqui o artigo:

O que é?

A pericardite é uma inflamação do pericárdio, isto é, da membrana que forma uma espécie de saco em volta do coração, e pode ser desencadeada por múltiplos problemas médicos muito diferentes, incluindo:

  • Infecção viral ― A pericardite viral pode ser causada por uma infecção por diversos tipos de vírus, incluindo coxsackievirus, echovirus, adenovírus, vírus da imunodeficiência humana (VIH), vírus que causam papeira ou vírus que causam hepatite.
  • Infecção piogénica (produtora de pus) ― A pericardite piogénica é uma infecção que envolve o coração e que produz pus. Tem diversas causas, incluindo a ruptura (abertura) do esófago (tubo do aparelho digestivo que vai da boca até ao estômago), uma infecção após uma cirurgia cardiotorácica ou a disseminação de uma endocardite (uma infecção do revestimento interno do coração e das válvulas cardíacas).
  • Tuberculose ― A pericardite tuberculosa pode ocorrer como parte de uma infecção tuberculosa activa.
  • Urémia ― A pericardite urémica pode ocorrer em pessoas com urémia, que é uma acumulação de ureia e de outros produtos residuais do sangue causados por uma falência renal.
  • Ataque cardíaco (enfarte do miocárdio) ― A pericardite pode ser desencadeada por uma destruição do músculo cardíaco num ataque cardíaco.
  • Traumatismo cardíaco ― Tal como no ataque cardíaco, a lesão do coração causada por um traumatismo (um ferida perfurante ou uma pancada forte no tórax) ou uma cirurgia cardíaca podem igualmente desencadear uma pericardite.
  • Doença reumática ou doença vascular do colagénio ― As doenças reumáticas (artrite reumatóide, esclerodermia e poliarterite nodosa) e as doenças vasculares do colagénio, especialmente o lúpus eritematoso disseminado, podem igualmente causar pericardite.

Leia o resto deste artigo »

Prova de Esforço: o que é?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Dr. Rui Cruz Ferreira

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Testes de Diagnóstico pelo Dr. João Sousa: Prova de Esforço

Leia o artigo aqui:

O que é?

A prova de esforço, também conhecida como prova do tapete rolante ou prova de tolerância ao exercício, indica se o coração consegue obter fluxo de sangue e oxigénio suficientes quando está a trabalhar no seu máximo, durante o exercício físico. As provas de esforço são por regra realizadas em pessoas com dor no peito ou com outros sintomas que sugerem uma doença coronária, habitualmente após um exame médico e realização de um electrocardiograma (ECG). No entanto, estes exames são, por vezes, usados para outros fins, como a avaliação da eficácia de um tratamento para a doença cardíaca ou a aferição da segurança de um programa de exercício proposto.

A saúde do coração pode ser examinada durante e após o exercício físico, quer através da realização de um ECG quer de um ecocardiograma (ecografia do coração). Quando neste teste se utiliza um ecocardiograma é usada a denominação “ecocardiograma de esforço ou de sobrecarga”.

As provas de esforço encontram-se entre os melhores instrumentos para o diagnóstico de doença cardíaca e alguns estudos sugerem que podem igualmente ser úteis para estimar o risco de doença nas pessoas que não têm sintomas mas que apresentam factores de risco como, por exemplo, um nível elevado de colesterol no sangue. A realização de uma prova de esforço deverá ser considerada em pessoas, sobretudo com mais de 40 anos, que apresentam um risco aumentado de doença coronária devido, por exemplo, ao facto de fumarem ou serem hipertensas.

Leia o resto deste artigo »

O que é a Taquicárdia?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pelo Dr. João de Sousa: O que é a Taquicárdia?

Leia o artigo aqui:

O que é?

A taquicárdia é uma frequência cardíaca superior a 100 batimentos por minuto. O coração normalmente bate com uma frequência de 60 a 100 vezes por minuto e o pulso (sentido no punho, no pescoço ou em outros locais) condiz com as contracções dos ventrículos do coração, as suas duas poderosas câmaras inferiores.

A taquicárdia pode fazer parte da resposta normal do organismo à ansiedade, à febre, a uma perda rápida de sangue ou a um exercício extenuante, podendo igualmente ser causada por problemas médicos, tais como um nível anormalmente elevado de hormonas tiroideias, denominado hipertiroidismo. Em algumas pessoas, a taquicárdia é o resultado de uma arritmia cardíaca (uma anomalia da frequência ou do ritmo cardíacos), de doença coronária ou de uma anomalia numa válvula cardíaca. A taquicárdia pode também ser causada por problemas nos pulmões, tais como pneumonia ou um coágulo de sangue numa das artérias pulmonares (tromboembolismo pulmonar).

Leia o resto deste artigo »

O que são as Arritmias Cardíacas?

Fonte:

 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pelo Dr. Carlos Martins: Arritmias Cardíacas

Leia o artigo aqui:

O que é?

Uma arritmia cardíaca caracteriza-se por uma frequência ou um ritmo cardíacos anormais. 

Nos adultos normais, o coração bate regulamente a uma frequência de 60 a 100 vezes por minuto e o pulso (palpado no punho, no pescoço ou noutro local) corresponde às contracções das duas poderosas câmaras inferiores do coração, denominadas ventrículos. As duas câmaras superiores do coração, chamadas aurículas, também contraem para ajudar a encher os ventrículos, mas esta contracção mais ligeira ocorre imediatamente antes de os ventrículos se contraírem e não é sentida no pulso. Em circunstâncias normais, o sinal para ser verificar um batimento cardíaco provém do nódulo sinusal do coração, o pacemaker natural localizado na porção superior da aurícula direita. A partir do nódulo sinusal, o sinal para o batimento cardíaco viaja até ao nódulo auriculoventricular ou “nódulo A-V” (localizado entre as aurículas) e através do feixe de His (uma série de fibras musculares cardíacas modificadas localizadas entre os ventrículos) até aos músculos dos ventrículos. Isto leva os ventrículos a contraírem-se e produz um batimento cardíaco.

Leia o resto deste artigo »

Miocardite

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pela Prof. Dulce Brito: O que é uma Miocardite?

Leia o artigo aqui:

O que é?

A miocardite é uma inflamação do músculo cardíaco que diminui a força do coração para bombear o sangue normalmente. Esta situação pode ser causada por:

Uma infecção – Muitas infecções têm sido associadas à miocardite. Alguns dos germes mais comuns incluem:

Infecções virais – As infecções virais são uma causa comum de miocardite. Muitos vírus diferentes podem causar miocardite, sendo o coxsackievirus B um agente responsável muito comum. Outros vírus incluem os echovirus, os vírus influenza (gripe) e os vírus de Epstein-Barr, da rubéola, da varicela, da papeira e da hepatite. Frequentemente, a pessoa não tem sintomas precedentes de resfriado, tosse, congestão nasal ou erupção cutânea e apenas se apercebe da infecção quando ocorre uma falência cardíaca.

Infecção pelo VIH – Cerca de 10% das pessoas com infecção pelo VIH desenvolvem miocardite, quer devido ao facto de o VIH invadir directamente o músculo cardíaco quer por o sistema imunitário enfraquecido do doente tornar o músculo cardíaco mais susceptível ao ataque por outras infecções.

Bactérias – Raramente, a miocardite constitui uma complicação da endocardite, uma infecção das válvulas cardíacas e do revestimento interno das câmaras cardíacas causada por bactérias. Algumas das bactérias responsáveis pela miocardite incluem o Staphylococcus aureus, os enterococos e o Corynebacterium diphtheriae (a causa da difteria). Em cerca de 25% das pessoas com difteria, uma toxina (veneno) produzida pela bactéria C. diphtheriae causa uma forma de miocardite que conduz a uma flacidez e distensão do músculo cardíaco, tornando-o incapaz de bombear o sangue eficientemente, podendo desenvolver-se uma insuficiência cardíaca grave durante a primeira semana da doença.

Doença de Chagas – Esta infecção, causada por um protozoário, o Trypanosoma cruzi, é transmitida através da picada de um insecto. A miocardite causada pela Doença de Chagas é mais comum nos imigrantes da América Central e do Sul ou nos viajantes dessas áreas. Em até um terço das pessoas com doença de Chagas, desenvolve-se uma forma de miocardite crónica (de longa duração) muitos anos depois da primeira infecção, conduzindo a uma destruição significativa do músculo cardíaco com insuficiência cardíaca progressiva.

Miocardite de Lyme – A doença de Lyme, uma infecção provocada por uma bactéria transmitida por carraças, a Borrelia burgdorferi, causa miocardite ou outros problemas cardíacos em cerca de 10% dos doentes.

Substâncias tóxicas e determinados medicamentos – A miocardite pode igualmente ser causada pelo consumo excessivo de álcool, por radiações ou por produtos químicos (hidrocarbonetos e arsénico), assim como por determinados medicamentos (incluindo a doxorrubicina, a ciclofosfamida, a emetina, a cloroquina e as sulfamidas).

Outros agentes – Um estudo recente revelou que o stress emocional intenso pode produzir uma falência cardíaca que tem início abruptamente, com evidência de inflamação do músculo cardíaco.

Doença inflamatórias – Estas doenças incluem o lúpus eritematoso disseminado e outras doenças auto-imunes, a sarcoidose e a tireotoxicose (uma tiroideia muito hiperactiva).

Outro tipo de miocardite é a miocardiopatia peri-parto. Por razões inexplicadas, algumas mulheres desenvolvem uma má função do músculo cardíaco na última fase da gravidez ou pouco depois do nascimento do bebé. Esta situação é rara.

Leia o resto deste artigo »

O que é a Prova de Esforço?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Dr. Rui Cruz Ferreira

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cardiologia pelo Dr. João Sousa: O que é a prova de esforço?

Leia aqui o artigo:

O que é?

A prova de esforço, também conhecida como prova do tapete rolante ou prova de tolerância ao exercício, indica se o coração consegue obter fluxo de sangue e oxigénio suficientes quando está a trabalhar no seu máximo, durante o exercício físico. As provas de esforço são por regra realizadas em pessoas com dor no peito ou com outros sintomas que sugerem uma doença coronária, habitualmente após um exame médico e realização de um electrocardiograma (ECG). No entanto, estes exames são, por vezes, usados para outros fins, como a avaliação da eficácia de um tratamento para a doença cardíaca ou a aferição da segurança de um programa de exercício proposto.

A saúde do coração pode ser examinada durante e após o exercício físico, quer através da realização de um ECG quer de um ecocardiograma (ecografia do coração). Quando neste teste se utiliza um ecocardiograma é usada a denominação “ecocardiograma de esforço ou de sobrecarga”.

Leia o resto deste artigo »

O que são Arritmias Cardíacas?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Leia aqui o artigo:

O que é?

Uma arritmia cardíaca caracteriza-se por uma frequência ou um ritmo cardíacos anormais.

Nos adultos normais, o coração bate regulamente a uma frequência de 60 a 100 vezes por minuto e o pulso (palpado no punho, no pescoço ou noutro local) corresponde às contracções das duas poderosas câmaras inferiores do coração, denominadas ventrículos. As duas câmaras superiores do coração, chamadas aurículas, também contraem para ajudar a encher os ventrículos, mas esta contracção mais ligeira ocorre imediatamente antes de os ventrículos se contraírem e não é sentida no pulso. Em circunstâncias normais, o sinal para ser verificar um batimento cardíaco provém do nódulo sinusal do coração, o pacemaker natural localizado na porção superior da aurícula direita. A partir do nódulo sinusal, o sinal para o batimento cardíaco viaja até ao nódulo auriculoventricular ou “nódulo A-V” (localizado entre as aurículas) e através do feixe de His (uma série de fibras musculares cardíacas modificadas localizadas entre os ventrículos) até aos músculos dos ventrículos. Isto leva os ventrículos a contraírem-se e produz um batimento cardíaco.

As arritmias cardíacas são por vezes classificadas, de acordo com a sua origem, como arritmias ventriculares (originadas nos ventrículos) ou arritmias supra-ventriculares (originadas em áreas do coração acima dos ventrículos, habitualmente nas aurículas). Podem igualmente ser classificadas de acordo com o seu efeito sobre a frequência cardíaca, em que a bradicárdia indica uma frequência cardíaca inferior a 60 batimentos por minuto e a taquicárdia indica uma frequência cardíaca superior a 100 batimentos por minuto.

Leia o resto deste artigo »