Fatores familiares e genéticos na asma de difícil controlo

Drª. Marianela Vaz

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre “Fatores familiares e genéticos na asma de difícil controlo” com a Drª Marianela Vaz: Fatores familiares e genéticos na asma de difícil controlo

Leia o texto do áudio aqui:

Cerca de 7-10% dos doentes asmáticos têm sintomas e limitações importantes, exacerbações frequentes e/ou redução persistente da função respiratória, apesar de corretamente medicados. Esta pequena percentagem de doentes de difícil controlo é responsável por grande parte dos custos associados com a asma.

Um número elevado de asmáticos possuem familiares com o mesmo problema, mas a natureza exata da hereditariedade permanece por esclarecer. Existem vários tipos de genes associados à atopia, aos mecanismos da doença e à resposta ao tratamento. Sabe-se que a atopia, isto é a tendência para produzir anticorpos de tipo IgE em resposta à exposição a alergénios, é o fator mais associado à asma e outras doenças alérgicas. No entanto parece que serão os outros genes que estarão relacionados com os tipos clínicos, fisiopatológicos e funcionais de mais difícil controlo.

Anúncios

O que é o teste genético?

Prof. Luis Filipe Silva

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreO que é o teste genético?” com Com o Professor Luís Filipe Silva: O que é o teste genético?

Leia aqui o artigo:

O teste genético é uma análise feita aos genes de um individuo, para identificar se existem alterações (erros) que podem ser responsáveis pelo aparecimento de uma dada doença.
Este tipo de testes, é utilizado por exemplo para identificar pessoas com uma maior propensão para desenvolver cancro.

Mas quem são estas pessoas?

Pertencem a famílias em que há muitos casos de cancro, quase sempre em idades jovens. No síndrome do cancro da mama, podem ser casos quer de cancro da mama ou quer do ovário.
Nas últimas décadas foram identificados alguns genes que, quando estão alterados numa família, aumentam a sua propensão para o cancro.
São alterações muito específicas, e nem todos os familiares serão portadores destas alterações.
Por isso estas famílias devem ser acompanhadas por um médico ou geneticista, numa consulta especializada de genética (ou consulta de risco familiar), de modo a analisar cada caso individual.
O teste genético é realizado no âmbito desta consulta, proposto pelo médico se houver uma forte suspeita de cancro hereditário.
Não é um exame obrigatório, e porque levanta muitas questões a nível pessoal e emocional deve ser acompanhado por dois períodos de aconselhamento por parte de profissionais especializados.
É um teste simples para a pessoa, realizado a partir de uma amostra de sangue e é sempre feito primeiro num familiar doente.

Informe-se junto do seu médico!
Cuide de si.

Conteúdo produzido no âmbito do projecto de produção de Informação do Programa Harvard Medical School-Portugal ” criação um sistema de informação cancro hereditário, com ênfase – cancro da mama e colo-rectal. ”
Este trabalho é co-financiado através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, QREN E COMPETE

Diferenças genéticas ou Estilos de vida diferentes?

Prof. Luis Filipe Silva

Leia o artigo aqui:
Alguns estudos de investigação são esclarecedores neste sentido! Mostram-nos que:
  • à medida que cidades orientais como Tóquio (com um forte ritmo urbano), adoptam um estilo de vida ocidental, vêem a sua incidência de cancro da mama aumentada;
  • também as comunidades migratórias asiático-americanas aumentam os seus valores de incidência de cancro da mama assim que adoptam novos hábitos de vida – em duas ou três gerações, atingem valores típicos Americanos.

Claramente existem factores típicos de um estilo de vida Ocidental, que aumentam em muito as probabilidades de vir a ter cancro da mama.

São dados preocupantes, mas com uma vertente positiva: mostram-nos que é possível prevenir a doença; basta estar atento e promover um conjunto de hábitos saudáveis no nosso quotidiano.

Informe-se! Peça ajuda junto do seu médico de família.

Conteúdo produzido no âmbito do projecto de produção de Informação do Programa Harvard Medical School-Portugal ” criação um sistema de informação cancro hereditário, com ênfase – cancro da mama e colo-rectal. “
Este trabalho é co-financiado através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, QREN E COMPETE

Todos os cancros são hereditários?

Prof. Luis Filipe Silva

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Cancro pelo Prof. Luis Filipe Silva: Todos os cancros são hereditários?

Leia o artigo aqui:

Felizmente não. Os cancros hereditários são uma pequena percentagem de todos os cancros diagnosticados anualmente – apenas 5%.

Mesmo em famílias com múltiplos familiares afectados por cancro – e falamos de cancros do mesmo síndrome, como o da mama e do ovário – só se verifica haver hereditariedade em 1/3 dos casos.

Então quais são os cancros hereditários?

São aqueles em que há uma identificação, muito clara, de uma alteração genética que corre na família.

Apesar de raras, estas alterações genéticas hereditárias aumentam em muito a vulnerabilidade de quem as possui – o portador – a acontecimentos que podem despoletar o cancro.

E como são transmitidas hereditariamente, de pais para filhos, com 50% de probabilidade, deixam de ser um risco apenas pessoal para afectar toda a família.

Saber que diferentes pessoas estão doentes na família, despoleta uma enorme ansiedade.

Se se encontra nesta situação, e tem dúvidas sobre o cancro hereditário na sua família, não deixe de conversar com o seu médico de família. É o profissional mais indicado para o acompanhar.

Leia o resto deste artigo »