Dicas sobre Saúde

Para perder peso eficazmente, reduza o consumo de calorias ao mesmo tempo que aumenta o seu nível de atividade física.

Anúncios

Ganho de peso saudável durante a gravidez

Drª. Gisele Câmara

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreGanho de peso saudável durante a gravidez” com a Dra Gisele Câmara: Ganho de peso saudável durante a gravidez

Leia o texto do áudio aqui:

O peso da mulher antes de engravidar e o seu ganho de peso durante a gravidez têm grande influência na forma como decorrem a gravidez e o parto, no desenvolvimento e na saúde do bebé e no bem estar da própria mulher.

Por exemplo, um ganho de peso insuficiente pode fazer com que o bebé nasça com baixo peso, o que o coloca em risco de diversas complicações e doenças logo após o nascimento e até à vida adulta. Já os bebés filhos de mulheres que ganharam peso a mais durante a gravidez têm maior tendência para serem obesos durante a infância.

Para os maiores benefícios da saúde da mãe e do bebé recomenda-se que durante toda a gravidez:

  • Mulheres que engravidam com um peso saudável ganhem entre 11,5 e 16 kg
  • Mulheres que engravidam com baixo peso ganhem entre 12,5 e 18 kg
  • Mulheres que engravidam com excesso de peso ganhem entre 7 e 11,5 kg
  • E mulheres que engravidam com obesidade ganhem entre 5 e 9 kg

 

Leia o artigo aqui: O seu peso antes e durante a gravidez: importância e recomendações

O que o exercício físico pode fazer por si?

Dr. Eduardo Mendes

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobreO que o exercício físico pode fazer por si?” com o Dr. Eduardo Mendes: O que o exercício físico pode fazer por si?

Leia o texto do áudio aqui:

O exercício regular apresenta muitos benefícios para a saúde.

Primeiro, diminui a probabilidade de sofrer de doença cardíaca, uma causa de morte importante em Portugal, ajudando a reduzir a pressão arterial, a prevenir a diabetes, a reduzir o excesso de peso e o risco de desenvolvimento dos cancros do cólon e da mama.

Segundo, ajuda a manter fortes os ossos, a proteger as articulações, aliviando o inchaço e a dor e a manter as cartilagens saudáveis, o que pode limitar ou mesmo fazer reverter os problemas das articulações, nomeadamente dos joelhos.

Terceiro, ao ajudar a controlar o peso, promove a libertação de hormonas que elevam o humor, o alívio do stress, melhorando assim a nossa disposição geral.

Finalmente, pode aumentar a capacidade para combatermos as infecções, aumentando a nossa esperança média de vida.

Leia o artigo aqui: O que o exercício físico pode fazer por si?

Veja o vídeo:

Atividade física durante a gravidez: recomenda-se!

"Uma abordagem à obesidade infantil"

A atividade física regular, adequada ao período da gravidez, é benéfica para a saúde e o bem-estar da mulher e do bebé. Somente em alguns casos a prática da atividade física durante a gravidez poderá ser desaconselhada pelo médico.

Durante uma gravidez saudável são recomendados, pelo menos, 30 minutos de atividade física moderada todos os dias ou na maioria dos dias da semana.

Estar bem informada pode ser muito útil para tomar decisões no sentido de uma gravidez mais ativa e saudável. Confira os seguintes temas que apresentamos a seguir: benefícios da atividade física durante a gravidez; recomendações para uma vida ativa e saudável durante a gravidez.

Leia o resto deste artigo »

Estudo: As hormonas prejudicam a perda de peso

Fonte:

Tradão e Edição de Imagem Científica:

Leia aqui o artigo:

Um estudo recente verificou que, se uma pessoa perder muito peso, as hormonas do seu organismo irão aumentar o apetite durante pelo menos o ano seguinte. O estudo incluiu 50 adultos com excesso de peso ou obesos. Os investigadores colocaram-nos sob dieta estrita, não podendo ingerir mais de 550 calorias por dia. Eles utilizaram um plano de substituição das refeições e ingeriram igualmente vegetais. Esta dieta prolongou-se por oito semanas. Nas duas semanas seguintes, eles começaram gradualmente a ingerir novamente alimentos normais. O objetivo era perder pelo menos 10% do peso corporal. No total, 34 pessoas conseguiram alcançar esse objetivo e mantiveram-se no estudo durante um ano de seguimento. Em média, perderam 13,5 kg. As pessoas obtiveram aconselhamento sobre a forma de manterem o seu novo peso. Mas, um ano mais tarde, elas tinham recuperado uma média de 5,4 kg. Elas apresentavam igualmente alterações no sangue dos níveis de hormonas que afetam o apetite. Todas estas alterações tinham probabilidade de aumentar o apetite. Antes e depois da dieta, os investigadores perguntaram igualmente às pessoas até que ponto tinham fome depois das refeições. A maior parte das pessoas sentia-se com mais fome um ano após ter realizado a dieta. A revista The New England Journal of Medicine publicou o estudo e a Associated Press escreveu sobre ele em 27 de outubro.

Leia o resto deste artigo »

Existem alimentos que nunca devo comer?

Drª. Ana Ferrão

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Alimentação, pela Drª. Ana Ferrão: “Existem alimentos que não devo comer?”

Leia o texto do áudio aqui:

Existem alimentos que nunca deve comer?

Na realidade, não. Mesmo que sejam alimentos com  muita gordura,  pouco nutritivos ou ricos em açúcar, não existem alimentos que não possa comer ocasionalmente. Se tiver vontade de comer um gelado cremoso de vez em quando, coma. Mas não esqueça, um dia não são dias e não transforme isso num acontecimento diário. Se comer batatas fritas numa festa, escolha alimentos mais saudáveis para comer em casa.

Uma alimentação equilibrada não é como certos planos famosos para perder peso que requerem que elimine completamente determinados alimentos. No entanto, para se manter saudável, há  alimentos que deve comer com menos frequência, pois o seu consumo pode promover o aparecimento de doenças graves como o cancro, a doença cardíaca e a diabetes. São exemplos de alimentos a comer com moderação a carne vermelha, os gelados, leite gordo, queijo, enchidos e os produtos de pastelaria.

Mitos e Crenças na Saúde: A grávida não deve aumentar mais de 10 quilos!

Autor: Prof. Luis Graça

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Mitos e Crenças na saúde, pelo Prof. Luis Graça: “A grávida não deve aumentar mais de 10 quilos!”

Leia o artigo aqui:

Este é um dos temas em que se ouvem e lêem maiores disparates.

Está bem evidenciado que o aumento médio de peso em mulheres com um Índice de Massa Corporal normal antes de engravidarem deve rondar os 12,5 kg, com variação entre os 10 e os 15 kg. Este aumento de peso não deve ser uniforme: cerca de 4 kg nas primeiras 20 semanas e 8,5 kg nas últimas 20.

As componentes do aumento ponderal na grávida são diversas. Se, no termo, o conjunto do feto, placenta e líquido amniótico corresponde a cerca de 5 kg, há que adicionar o correspondente à expansão do volume do sangue (cerca de 1,5kg), o aumento de peso do útero e das mamas (mais 1,5kg), do líquido fisiologicamente retido fora dos vasos e das reservas calóricas da grávida (que somam 4 a 5 kg), o que perfaz 12 a 13 kg.

Aumentos ponderais muito pequenos (inferiores a 7kg) correspondem habitualmente a dietas excessivamente restritivas, que se podem associar a deficiente crescimento do feto e a anomalias do desenvolvimento neuro-comportamental da criança.

Aumentos ponderais excessivos (16kg ou mais) têm uma relação estreita com o nascimento de bébés com mais de 4 kg, com as inerentes complicações do parto, e/ou com o aparecimento de diabetes gestacional na mulher grávida.