O que é um Transplante Cardíaco?

Dr. Ângelo Nobre

Oiça, em 1 minuto, o áudio sobre Transplante Cardíaco, pelo Dr. Ângelo Nobre: “O que é um Transplante Cardíaco?

Leia aqui o texto do áudio:

Um transplante cardíaco é uma cirurgia na qual um doente com um problema do coração potencialmente fatal recebe um novo coração saudável de uma pessoa que morreu. No transplante cardíaco, o doente que recebe um novo coração (o receptor) é alguém que apresenta um risco de 30 a 70% de morrer dentro de um ano sem um novo coração. A pessoa que fornece o coração saudável (o dador) é geralmente alguém que foi declarado em morte cerebral e que ainda se encontra ligado a máquinas de suporte de vida.

O receptor e o dador devem ser compatíveis, o que significa que determinadas proteínas nas suas células (denominadas antigénios) são semelhantes. Uma compatibilidade adequada irá reduzir o risco de o sistema imunitário do receptor considerar o coração do dador como um objecto estranho, atacando-o num processo denominado de rejeição do órgão.

Leia ainda o artigo sobre: O que é um Transplante de Coração?

Anúncios

O que é um Transplante de Coração?

Fonte: 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. António Vaz Carneiro

Leia o artigo aqui:

O que é?

Um transplante cardíaco é uma cirurgia na qual um doente com um problema do coração potencialmente fatal recebe um novo coração saudável de uma pessoa que morreu. No transplante cardíaco, o doente que recebe um novo coração (o receptor) é alguém que apresenta um risco de 30 a 70% de morrer dentro de um ano sem um novo coração. A pessoa que fornece o coração saudável (o dador) é geralmente alguém que foi declarado em morte cerebral e que ainda se encontra ligado a máquinas de suporte de vida. Os dadores de coração têm geralmente menos de 50 anos, não têm história de problemas cardíacos e não têm nenhuma doença infecciosa.

O receptor e o dador devem ser compatíveis, o que significa que determinadas proteínas nas suas células (denominadas antigénios) são semelhantes. Uma compatibilidade adequada irá reduzir o risco de o sistema imunitário do receptor considerar o coração do dador como um objecto estranho, atacando-o num processo denominado de rejeição do órgão.

Em 2005, foram realizados em Portugal 46 transplantes de coração. Já nos Estados Unidos da América, os cirurgiões realizam aproximadamente 2.100 transplantes cardíacos por ano e mais de 3.000 pessoas permanecem em lista de espera nacional para um coração de dador.

Leia o resto deste artigo »