Depressão major

Fonte:

 

Tradão e Edição de Imagem Científica:

 

Adaptação Científica:

Drª.Carolina Vaz Macedo

Validação Científica:

Prof. João Relvas

O que é?

Os sintomas mais evidentes da depressão major são um estado grave e persistente de abatimento, uma tristeza profunda ou um sentimento de angústia e desespero. O estado de espírito pode frequentemente assemelhar-se a irritabilidade. Por outro lado, o indivíduo que esteja a sofrer de uma depressão grave é incapaz de obter prazer em actividades que, em circunstâncias normais, lhe seriam agradáveis.

A depressão major é muito mais do que um estado de melancolia passageiro, um dia mau ou um período de tristeza temporário que “logo passa”. As mudanças de humor que ocorrem na sequência de uma depressão deste tipo duram no mínimo duas semanas, mas normalmente prolongam-se durante muito mais tempo, meses ou mesmo anos.

As alterações de humor são normalmente acompanhadas por diversos sintomas, os quais podem variar de forma significativa de pessoa para pessoa.

Uma característica comum a muitas pessoas que sofrem de depressão é o facto de sofrerem também de ansiedade: preocupam-se mais do que o normal com o seu estado de saúde, os seus relacionamentos interpessoais muitas vezes são marcados por um quadro de conflituosidade e o seu desempenho profissional é afectado; também a sua sexualidade pode ser afectada e vir a tornar-se um problema adicional. Por todos estes factores, as pessoas com depressão estão em risco acrescido de abuso de álcool ou de outras substâncias.

A depressão provavelmente envolve alterações nas zonas do cérebro que controlam o humor/estado de espírito. Esta é uma área que os neurocientistas continuam a pesquisar activamente, mas parecem existir várias localizações específicas no cérebro onde as perturbações podem ocorrer. Por um lado, podem existir anomalias nas reacções químicas no interior dos neurónios. Por outro, pode ser difícil para o doente regular a sua disposição devido a alterações na comunicação ao nível dos circuitos nervosos de interligação entre os neurónios. Determinadas alterações hormonais podem também desempenhar um papel importante. A experiência de vida individual influencia estes processos e a forma como cada doente lhes reage e, por fim, é quase certo que existem factores de ordem genética que tornam certas pessoas mais vulneráveis à ocorrência dos episódios acima referidos.

Um episódio de depressão pode ser despoletado por um acontecimento stressante na vida do doente, como por exemplo a perda de um ente querido. Todavia, em muitos casos a depressão não surge como reacção a qualquer evento específico.

Uma depressão major tanto pode ocorrer uma única vez durante a vida, como pode ter um carácter recorrente. Parte das pessoas que sofrem de uma depressão recorrente vivem numa situação em que apresentam de forma basal um estado depressivo mais ligeiro designado por distimia.

Nalgumas pessoas que sofrem episódios de depressão major também se verifica a ocorrência de períodos de irritabilidade e de excesso de energia/vitalidade. Podem dormir muito menos do que o normal e imaginar planos de tal forma ambiciosos e grandiosos que nunca serão exequíveis. O doente pode desenvolver um padrão de pensamento desfasado da realidade – sintomas psicóticos – consubstanciado em crenças falsas (delírios) ou percepções alteradas da realidade (alucinações). Na sua forma mais grave esta situação é designada por “mania” ou episódio maníaco. Denomina-se “hipomania” ou episódio hipomaníaco o caso em que um indivíduo apresenta manifestações moderadas de mania, mas que não o fazem perder o contacto com a realidade.

Quando uma mulher sofre um episódio de depressão major no período de dois ou três meses após o parto, estamos perante uma situação de depressão pós-parto. Já ao tipo de depressão que tende a ocorrer sobretudo durante os meses de Inverno dá-se a designação de perturbação afectiva com padrão sazonal.

Os episódios de depressão podem ocorrer em qualquer idade e são duas vezes mais diagnosticados em mulheres do que em homens. As pessoas que têm um familiar próximo com depressão major estão mais sujeitas a desenvolver elas próprias depressão ou alcoolismo.

Manifestações clínicas

Uma pessoa deprimida pode, entre outras manifestações, perder ou ganhar peso, comer bastante menos ou bastante mais do que o habitual, ter dificuldades de concentração e apresentar perturbações do sono, que podem resultar em insónia ou hipersónia (necessidade de dormir muito mais do que o normal). Existe fadiga e falta de energia para qualquer actividade, seja ela de trabalho ou de lazer. Mesmo as menores dificuldades ou obstáculos parecem-lhe impossíveis de ultrapassar e tanto pode parecer lenta e abúlica, como agitada e irrequieta. Estas manifestações podem ser bastante evidentes para as pessoas que rodeiam o doente.

Um sintoma particularmente pungente nesta doença é o profundo sentimento de culpa e de inutilidade que o doente carrega: culpa-se a si próprio não só pela ocorrência de qualquer evento mais ou menos traumático na sua vida, como também sofre com um sentimento de culpa generalizado, mesmo que não esteja relacionado com nenhuma situação em particular.

Se toda esta dor e auto-crítica forem persistentes, podem acumular-se ao ponto de conduzir o doente a sentimentos de incapacidade e desespero, que resultarão num comportamento autodestrutivo e em pensamentos de morte e suicídio. A grande maioria das pessoas com depressão grave não cometem nem tentam cometer suicídio, mas estão mais inclinadas a fazê-lo do que as pessoas que não se encontram deprimidas.

O pensamento das pessoas com depressão grave está permanentemente afectado pelo seu estado de espírito sombrio, pelo que é comum o indivíduo ter uma visão muito mais pessimista da situação do que a realidade justificaria. Por vezes a forma de pensar do deprimido é suficientemente distorcida e desfasada da realidade para poder ser classificada como “psicótica”, isto é, a pessoa tem grande dificuldade em reconhecer a realidade. Não é raro as pessoas deprimidas desenvolverem delírios e alucinações.

As principais manifestações da depressão major incluem:

  • Estado de espírito nitidamente triste ou irritadiço
  • Perda de interesse nas actividades, que deixam de ser gratificantes ou estimulantes para o doente
  • Redução ou aumento significativo de peso ou apetite
  • Redução ou aumento significativo dos períodos de sono
  • Estado de espírito lentificado ou agitado
  • Fadiga e falta de energia
  • Sentimentos de culpa e baixa auto-estima
  • Problemas de concentração
  • Indecisão
  • Pensamentos relacionados com a morte, ideias suicidas ou tentativas de suicídio

Diagnóstico

Um médico de família ou um profissional de saúde mental podem normalmente diagnosticar uma situação de depressão através de uma pequena entrevista ao doente, interrogando-o acerca dos seus sintomas e historial clínico. Por definição, uma depressão major é diagnosticada no caso de uma pessoa apresentar muitos dos sintomas anteriormente referidos durante um período de pelo menos duas semanas.

Devido à forma como a sociedade encara esta perturbação, muitos doentes com depressão não procuram tratamento. As pessoas podem sentir que a depressão é culpa sua e preocupar-se com o que os outros dirão ou pensarão sobre elas. Para mais, a própria depressão poderá tornar a pessoa incapaz de avaliar o seu estado de saúde e de reconhecer o problema.

Não existem testes ou outros meios auxiliares de diagnóstico específicos para detectar uma situação de depressão. No entanto, é importante ser observado por um médico para se assegurar de que a perturbação não está a ser causada por um problema físico ou a ser induzida por medicação.

Evolução clínica

Os episódios de depressão grave prolongam-se em média por quatro a oito meses, mas na verdade podem durar qualquer período de tempo. Os sintomas também podem variar de intensidade ao longo do episódio. Se a depressão não for tratada adequadamente, pode tornar-se crónica (de longa duração). De qualquer forma, o tratamento contribui para minorar quer a gravidade, quer a duração do estado depressivo.

Prevenção

Não há forma de evitar a depressão, mas o diagnóstico precoce pode reduzir de modo muito significativo os sintomas e ajudar a evitar recaídas ou a ocorrência de novos episódios.

Tratamento

Um tratamento combinado de psicoterapia e medicação é de grande utilidade. Os antidepressivos mais comummente receitados são conhecidos por inibidores selectivos de recaptação de serotonina (ISRSs ou, em inglês, SSRIs) e incluem a fluoxetina, a sertralina, a fluvoxamina, a paroxetina e o escitalopram. Embora tenham os seus contras, estes medicamentos são fáceis de tomar e relativamente seguros quando comparados com gerações anteriores de antidepressivos.

No que concerne a efeitos secundários, sabe-se que esta medicação pode causar problemas ao nível do apetite e desempenho sexual, por vezes náuseas, e um aumento dos níveis de ansiedade na fase inicial do tratamento.

Entre os antidepressivos mais recentes e igualmente eficazes encontram-se a bupropiona, a venlafaxina, a mirtazapina e a duloxetina. Alguns antidepressivos mais antigos, como os tricíclicos e os inibidores da MAO (monoaminooxidase) ainda são usados, são tão eficazes como os mais recentes e podem apresentar bons resultados nos casos em que o doente não responde favoravelmente a outros tratamentos.

Por norma, são necessárias duas a seis semanas para que os benefícios de um qualquer antidepressivo se tornem evidentes. Mesmo após a medicação mais correcta para um determinado doente ter sido encontrada, podem decorrer alguns meses até se conseguir acertar a dosagem e a medicação atingir o seu potencial máximo.

Nos últimos anos, os investigadores têm vindo a revelar preocupação pelo facto de haver alguns indícios que parecem apontar para o facto de haver um risco acrescido de suicídio entre as pessoas que estão a tomar antidepressivos. Embora o foco de pesquisa neste tópico se mantenha, os resultados da investigação permanecem até ao momento de difícil interpretação. Muitos especialistas crêem que os antidepressivos reduzem o número de suicídios em termos globais. Contudo, uma pequena percentagem de pessoas que tomam este género de medicamentos provavelmente acaba por ter uma reacção inusitada ao fármaco e passa a sentir-se muito pior do que antes.

Apesar de o debate continuar em aberto a este respeito, em geral os médicos concordam que é importante que o tratamento da depressão seja monitorizado de perto e alertam para a importância de o doente reportar imediatamente ao seu médico qualquer agravamento dos sintomas ou do seu estado de espírito.

Por vezes são prescritos dois antidepressivos diferentes em simultâneo ou junta-se ao antidepressivo um estabilizador de humor, como lítio ou ácido valpróico (valproato de sódio). Se existirem sintomas psicóticos, receita-se também medicação antipsicótica, a qual pode incluir o haloperidol, a risperidona, a quetiapina, a olanzapina, a ziprasidona e o aripiprazol.

Algumas técnicas psicoterapêuticas também já demonstraram a sua utilidade, dependendo o seu resultado das causas da depressão, da disponibilidade da família, da existência de apoio social de outra ordem e do estilo pessoal e preferências do doente. Uma técnica designada por terapia cognitivo-comportamental foi desenvolvida para ajudar as pessoas deprimidas a reconhecerem padrões de pensamento associados ao medo/pânico e ensinar técnicas para controlar os sintomas. As psicoterapias psicodinâmicas, orientadas para o desenvolvimento interior do doente (“insight-oriented”) ou interpessoal podem também ajudar os deprimidos a resolver conflitos em relacionamentos importantes ou a explorar a história por trás dos sintomas.

Se sofre de depressão, beneficiará muito se aprender o máximo sobre a doença. Pode ainda recorrer a estruturas de apoio que estejam disponíveis na sua comunidade.

Em certas situações, um tratamento denominado electroconvulsivoterapia (ECT) pode salvar vidas. Embora controverso, este tratamento tem-se revelado muito eficiente. Na ECT, um impulso eléctrico é administrado no cérebro do doente através do couro cabeludo, causando uma convulsão. O paciente está sob o efeito de anestesia e é cuidadosamente monitorizado. Antes de iniciar o procedimento, é-lhe ainda administrada medicação para impedir qualquer manifestação externa das convulsões, o que evita a ocorrência de complicações. Nota-se uma melhoria gradual num período de dias ou semanas após o tratamento. A ECT é o tratamento mais rápido e eficaz para as formas mais graves de depressão e, para a maioria das pessoas, não envolve um grau de risco maior do que outras terapêuticas com antidepressivos.

Quando contactar um médico

A depressão é uma doença dolorosa e potencialmente perigosa, pelo que deve contactar um profissional de saúde se suspeitar que está, ou que algum dos seus entes queridos está, deprimido.

Prognóstico

O tratamento para a depressão tem vindo a tornar-se progressivamente mais sofisticado e eficaz, pelo que neste momento, se o doente for devidamente tratado e acompanhado, o prognóstico é excelente. A intensidade dos sintomas e a frequência dos episódios são significativamente reduzidas e muitas pessoas recuperam completamente.

Não obstante, ainda que o tratamento seja um êxito, é importante que se mantenha em contacto com o seu médico ou terapeuta, uma vez que é frequente haver necessidade de acompanhamento e de um tratamento de manutenção para evitar que a depressão volte a manifestar-se.

Informação Adicional

Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental

http://sppsm.org/

Advertisements

2 Respostas to “Depressão major”

  1. Depressão « Programa Harvard Medical School – Portugal Says:

    […] o artigo aqui: Depressão major Share this:TwitterFacebookGostar disto:GostoBe the first to like this artigo. Na categoria […]

  2. Marisa Pinto Says:

    Falta indicar que os sintomas acima referidos são os critérios do DSM-IV para o diagnóstico da Depressão major.

    Muito bom o artigo. Decerto ajudará muitas pessoas. 🙂


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: